O que é uma sala de aula virtual. E como criá-la de forma engajadora

Criar uma sala de aula virtual que de fato seja atrativa aos estudantes requer planejamento. Em um ambiente virtual de aprendizagem, a instituição de ensino superior tem acesso a diversos recursos, como webconferência e práticas com realidade aumentada. Sem saber como extrair o melhor deles, no entanto, a IES pode comprometer o engajamento que deseja dos alunos.

O que é sala de aula virtual?

A sala de aula virtual é um espaço digital pensado para o aluno desenvolver conhecimento. Sim, parece muito como uma sala de aula tradicional. A diferença é que ela não está restrita a um ambiente físico – pode ser acessada de qualquer lugar – e tem um leque maior de possibilidades agregadas pela tecnologia.

6 dicas para criar uma sala de aula virtual engajadora

Não existe EAD de sucesso sem um AVA construído com dedicação e atualizado constantemente. A IES deve envolver sua equipe e dedicar tempo para consolidar ambientes de aprendizado de qualidade.

A seguir, confira seis dicas para criar e cativar os estudantes com as salas de aula virtuais.

1. Eleja o AVA ideal

Depois de mapear as necessidades da sua IES, é hora de colocar na balança prós e contras de cada solução de ambiente virtual de aprendizagem. Primeiramente, atenção para pontos como usabilidade, tecnologia, suporte e relatórios.

Leia também:
:: A importância do LMS para escalar EAD com qualidade
:: Tecnologia educacional em sala de aula: como torná-la uma grande aliada
:: Blackboard Learn Ultra: Uma experiência única e eficiente na aprendizagem

2. Faça um plano de aula

Em resumo, construa um planejamento para as salas de aula virtuais com objetivos claros e indicadores de sucesso a serem acompanhados. Em segundo lugar, não esqueça de envolver os professores nesse processo. A visão deles pode enriquecer – e muito – as ideias. Com um plano definido, é mais fácil sair do básico e se diferenciar dos concorrentes.

3. Explore os recursos

O AVA ideal dá suporte tecnológico para sua instituição oferecer experiências engajadoras em EAD. A webconferência, por exemplo, é um recurso capaz de promover encontros dinâmicos e simultâneos, mesmo a distância. Já o fórum de discussão é um ambiente para estimular interação, que pode ser usado também para atividades avaliadas.

4. Varie os formatos

Fuja da monotonia de oferecer conteúdo sempre nos mesmos formatos. Alterar o modo como o aluno interage com as informações é um jeito muito eficiente de gerar engajamento. Afinal, muitos podem preferir um game, um podcast ou mesmo uma experiência imersiva com vídeo 360° para aprender. Variar é a palavra de ordem.

5. Mantenha o conteúdo atualizado

Nada de montar um curso e deixar o mesmo conteúdo durante vários semestres. Dessa maneira, atualize sempre os materiais adicionando estudos de caso e novos exercícios que os alunos possam relacionar à atualidade. Trabalhe também com interação ao vivo, como uma webconferência para falar de uma pauta do momento. Com tantos recursos disponíveis, chega a ser decepcionante oferecer conteúdo ultrapassado em EAD.

6. Avalie os dados

Quem investe em planejamento, deve ficar de olho, sobretudo, nos dados. Primordialmente, um plano só é completo com acompanhamento de resultados e geração de insights a partir dos números. O Blackboard Open LMS é uma solução de AVA que conta com a tecnologia X-Ray Learning Analytics. A funcionalidade da plataforma deixa o monitoramento de dados em tempo real muito mais prático e eficiente.

Por fim, aumentar o engajamento do aluno é um objetivo tanto na sala de aula física quanto na virtual. Cabe à IES saber utilizar os recursos que o ambiente digital oferece para atrair e reter a atenção dos estudantes de formas criativas.

Implemente as melhores práticas de adoção de tecnologia em sua IES. Nós podemos te ajudar! Faça download do Guia 6 características de Sucesso na Adoção de Tecnologia.

sala de aula virtual

O que é uma sala de aula virtual. E como criá-la de forma engajadora

Criar uma sala de aula virtual que de fato seja atrativa aos estudantes requer planejamento. Em um ambiente virtual de aprendizagem, a instituição de ensino superior tem acesso a diversos recursos, como webconferência e práticas com realidade aumentada. Sem saber como extrair o melhor deles, no entanto, a IES pode comprometer o engajamento que deseja dos alunos.

O que é sala de aula virtual?

A sala de aula virtual é um espaço digital pensado para o aluno desenvolver conhecimento. Sim, parece muito como uma sala de aula tradicional. A diferença é que ela não está restrita a um ambiente físico – pode ser acessada de qualquer lugar – e tem um leque maior de possibilidades agregadas pela tecnologia.

6 dicas para criar uma sala de aula virtual engajadora

Não existe EAD de sucesso sem um AVA construído com dedicação e atualizado constantemente. A IES deve envolver sua equipe e dedicar tempo para consolidar ambientes de aprendizado de qualidade.

A seguir, confira seis dicas para criar e cativar os estudantes com as salas de aula virtuais.

1. Eleja o AVA ideal

Depois de mapear as necessidades da sua IES, é hora de colocar na balança prós e contras de cada solução de ambiente virtual de aprendizagem. Primeiramente, atenção para pontos como usabilidade, tecnologia, suporte e relatórios.

Leia também:
:: A importância do LMS para escalar EAD com qualidade
:: Tecnologia educacional em sala de aula: como torná-la uma grande aliada
:: Blackboard Learn Ultra: Uma experiência única e eficiente na aprendizagem

2. Faça um plano de aula

Em resumo, construa um planejamento para as salas de aula virtuais com objetivos claros e indicadores de sucesso a serem acompanhados. Em segundo lugar, não esqueça de envolver os professores nesse processo. A visão deles pode enriquecer – e muito – as ideias. Com um plano definido, é mais fácil sair do básico e se diferenciar dos concorrentes.

3. Explore os recursos

O AVA ideal dá suporte tecnológico para sua instituição oferecer experiências engajadoras em EAD. A webconferência, por exemplo, é um recurso capaz de promover encontros dinâmicos e simultâneos, mesmo a distância. Já o fórum de discussão é um ambiente para estimular interação, que pode ser usado também para atividades avaliadas.

4. Varie os formatos

Fuja da monotonia de oferecer conteúdo sempre nos mesmos formatos. Alterar o modo como o aluno interage com as informações é um jeito muito eficiente de gerar engajamento. Afinal, muitos podem preferir um game, um podcast ou mesmo uma experiência imersiva com vídeo 360° para aprender. Variar é a palavra de ordem.

5. Mantenha o conteúdo atualizado

Nada de montar um curso e deixar o mesmo conteúdo durante vários semestres. Dessa maneira, atualize sempre os materiais adicionando estudos de caso e novos exercícios que os alunos possam relacionar à atualidade. Trabalhe também com interação ao vivo, como uma webconferência para falar de uma pauta do momento. Com tantos recursos disponíveis, chega a ser decepcionante oferecer conteúdo ultrapassado em EAD.

6. Avalie os dados

Quem investe em planejamento, deve ficar de olho, sobretudo, nos dados. Primordialmente, um plano só é completo com acompanhamento de resultados e geração de insights a partir dos números. O Blackboard Open LMS é uma solução de AVA que conta com a tecnologia X-Ray Learning Analytics. A funcionalidade da plataforma deixa o monitoramento de dados em tempo real muito mais prático e eficiente.

Por fim, aumentar o engajamento do aluno é um objetivo tanto na sala de aula física quanto na virtual. Cabe à IES saber utilizar os recursos que o ambiente digital oferece para atrair e reter a atenção dos estudantes de formas criativas.

Implemente as melhores práticas de adoção de tecnologia em sua IES. Nós podemos te ajudar! Faça download do Guia 6 características de Sucesso na Adoção de Tecnologia.

17 de outubro de 2019
ead-qualidade

A importância do LMS para escalar EAD com qualidade

De 2007 a 2017, a educação superior no Brasil experimentou um período promissor. Evoluiu de 5,3 milhões de matrículas para o índice inédito de 8,3 milhões. Os dados são do último Censo do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) do Ministério da Educação (MEC). De 2014 para cá, no entanto, a crise econômica colocou um pé no freio nesse movimento. Em quatro anos, foram apenas 300 mil novos alunos. Atraídos especialmente pela flexibilidade e pelos preços acessíveis de cursos de educação a distância (EAD). A partir disso, surgiu a necessidade de escalar EAD com qualidade. Enquanto o número de ingressantes no ensino presencial cresceu 19% ao longo da década 2007-2017, na EAD o aumento foi de 229%.

A modalidade EAD, que hoje representa cerca de 25% do total de matrículas no país, desponta como o futuro do acesso à educação. O incremento dessa demanda, inclusive, tem feito com que as instituições de ensino superior busquem diferenciação. Até porque se trata de um mercado cada vez mais concorrido. É nesse contexto que a adesão a tecnologias da informação e comunicação (TICs) torna-se um caminho sem volta.

Na era da educação digital, tão importante quanto a atração de novos alunos é o engajamento, o que depende diretamente de um Learning Management System (LMS) seguro e de qualidade. Essencial à modalidade, a ferramenta de LMS também é conhecida como ambiente virtual de aprendizagem (AVA).

Por meio do LMS, é possível congregar avaliações, conteúdos e interações entre instituição, corpo acadêmico e, claro, alunos – o que é válido tanto para cursos EAD quanto de ensino híbrido.

Confira quatro atributos essenciais para escalar EAD com qualidade

1. Funcionalidades

Em primeiro lugar, as principais plataformas educacionais do mundo permitem que IES personalize o layout de seu LMS. Assim, a ferramenta ficará com a identidade da instituição, reforçando o conceito de marca e a reputação. Além disso, todo LMS precisa atender a uma demanda básica: estar otimizado para ser usado em diferentes tipos de dispositivos – como computadores e smartphones.

2. Gamificação

Empregada na estratégia de engajamento dos alunos, a gamificação é uma solução conhecida entra as IES mais conceituadas e inovadoras. Por meio da lógica dos videogames, o processo auxilia não apenas no processo de aprendizagem. Mas também no desenvolvimento de habilidades psicossociais. Um bom LMS oferece à IES ferramentas essenciais para o desenvolvimento da gamificação.

3. Comunicação para EAD com qualidade

Em resumo, um LMS de qualidade precisa favorecer as interações entre alunos, professores e tutores. Por meio de ferramentas como chats e fóruns, os estudantes esclarecem dúvidas e trocam ideias. Ambas as partes – corpo docente e discente – devem receber, ainda, feedbacks sobre as atividades desempenhadas, adequando assim a performance de cada um conforme as expectativas criadas.

4. Mapeamento de dados

Por fim, a ferramenta de LMS também pode servir como instrumento de rastreio de todas as ações dos alunos – da quantidade de acessos até as entregas dos trabalhos. Com os dados gerados a partir desse mapeamento, a gestão da IES conseguirá desenhar estratégias mais assertivas para melhorar a relação com o aluno, o processo de aprendizagem e a eficiência dos professores e tutores. Como consequência direta, conseguirá fidelizar e reter alunos.

 

Quer conhecer o melhor LMS do mercado?
Clique aqui e conheça todas as versão da Blackboard.

 

9 de outubro de 2019
Tecnologia educacional pode ser aliada no engajamento e retenção de alunos.

Tecnologia educacional em sala de aula: como torná-la uma grande aliada

Uso criativo de tecnologia educacional proporciona melhor memorização do conteúdo.

Diversos professores e gestores de instituições de ensino insistem em tratar tecnologia e sala de aula como inimigas. A verdade, no entanto, é que notebooks, smartphones, tablets e uma série de outros gadgets que conectam o aluno chegaram para ficar. Assim, proibir o uso de novas tecnologias em sala de aula é uma atitude no mínimo ultrapassada.

Quando fazem isso, além de afastar o estudante da realidade do mundo profissional, as IES perdem a oportunidade de aproveitar esses recursos como grandes aliados em suas propostas de educação. A maioria das faculdades e universidades contam com ambientes virtuais de aprendizagem (AVA, ou LMS, na sigla em inglês). Eles possibilitam o uso de diversos conteúdos e recursos interativos. Por isso, não faz sentido deixar de usá-los também na etapa presencial.

Há um consenso entre especialistas que a tecnologia em sala de aula retém mais a atenção do aluno do que qualquer outro método. Ferramentas como a realidade virtual preservam cerca de 90% da memorização depois de uma semana do ensinamento do conteúdo. Enquanto isso, a escrita preserva não mais do que 10%.

Não restam dúvidas de que, no contexto atual, a tecnologia educacional está ficando cada vez mais acessível. Resta saber, entretanto, como utilizá-la da melhor maneira.

:: Utiliza Moodle mas ele não atende mais as necessidades da sua IES e busca uma experiência mais completa? Entenda como a Católica SC migrou do Moodle para o Open LMS e os benefícios adquiridos a partir dessa mudança.

Confira três sugestões de uso de tecnologia educacional em sala de aula. E faça delas poderosas aliadas na aprendizagem

1. Quiz

Primeiramente, em geral, provas podem ser um pesadelo para muitos alunos. Mas o professor pode fazer com que os testes fiquem bem mais interessantes. Usando a gameficação, por exemplo, o docente elabora um rol de exercícios a serem realizados pelo aluno no próprio smartphone. Ao fim da aula, o conteúdo do dia pode ser avaliado com algumas poucas perguntas; basta compartilhar um link com a turma.

O exame fica com cara de quiz e auxilia na fixação do que foi ensinado. O recurso se transforma num tipo de feedback, inclusive. Assim, o professor pode entender melhor como o conteúdo foi assimilado. Por saberem que os conhecimentos serão testados, a tendência é que todos prestem ainda mais atenção na aula.

2. Realidade virtual, realidade aumentada e vídeos 360° na tecnologia educacional

Vídeos 360°, realidade virtual e realidade aumentada estão entre os temas do momento quando o assunto é tecnologia educacional. Essas ferramentas abrem um leque infinito de possibilidades para as IES. Com elas, é possível recriar momentos históricos, proporcionar práticas com mais segurança, visualizar estruturas antes de serem construídas e até mesmo visitar o espaço. O emprego das tecnologias requer investimento em aparato tecnológico, mas o mercado oferece opções com os mais variados preços.

3. AVA na aula presencial

Boa parte das instituições já têm à disposição o AVA – ou LMS, na sigla em inglês. No ambiente virtual de aprendizagem estão todos os conteúdos criativos e interativos criados para envolver e engajar o aluno. Por que, então, não aproveitar a ferramenta nas aulas presenciais?

Para ser feita ao vivo, e não a distância, a atividade proposta deve ter um objetivo – ao qual se pode chegar no fim da aula. Uma possibilidade é valorizar a interação entre alunos, o que pode ser feito por meio de debates ou de uma prática colaborativa. Nesse contexto, as IES precisam investir na produção de conteúdo de qualidade e contar com um LMS passível de ser acessado pelo estudante de seu próprio smartphone com facilidade.

Por fim, se a sua IES precisa repensar a maneira como trabalha com tecnologia em sala de aula, diversas soluções podem ajudá-lo nesse processo. A Sagah desenvolve conteúdos criativos para encantar os alunos. Já a Blackboard tem a opção de AVA perfeita para as necessidades de qualquer IES.

2 de outubro de 2019
Indicadores da IES mensuram engajamento, compreensão e qualidade do conteúdo oferecido aos alunos.

3 indicadores para acompanhar o progresso de alunos e professores

Métricas sinalizam se disciplinas estão dentro da performance desejada e ajudam a corrigir rumos, acompanhando e otimizando o progresso de alunos e professores

Diante do avanço da educação a distância, muitas IES estão adotando um modelo de gestão mais orientado por indicadores. Afinal, é preciso ter métricas para avaliar o progresso dos alunos, a qualidade do ensino e do conteúdo EAD oferecidos. Com as mudanças, no entanto, surgem muitas dúvidas: quais indicadores a IES deve observar? Como mensurá-los? Com que frequência?

As ferramentas de análise de dados geram uma imensidão de informações que, sem reflexão e desenvolvimento de estratégia, pouco significam. Aqui, vale destacar: os recursos de analytics são fundamentais para elevar a precisão da IES no acompanhamento de indicadores e nas tomadas de decisão.

Por isso, as instituições de ensino superior mais renomadas do mundo apostam na gestão baseada em indicadores para ter insights inovadores e, claro, balizar a qualidade do ensino.

A seguir, três indicadores sobre os quais a IES deve ficar de olho quando o assunto é o progresso de alunos e professores

Tempo médio de permanência no AVA

  • O que esse indicador significa?

Primeiramente, o tempo de permanência dos alunos no ambiente virtual de aprendizagem indica o engajamento com o conteúdo EAD disponibilizado. Quanto mais atrativo for o material, maior o tempo que os estudantes ficarão logados.

  • Como mensurar?

Em resumo, eis aqui um dado que pode ser facilmente acessado através da ferramenta que condensa as informações do AVA da sua instituição: o analytics da plataforma .

  • Com que frequência?

A frequência de avaliação do indicador pode ser mensal, mas deve estar adequada à rotina de gestão da IES. Leve em conta quando são realizadas as reuniões internas.

:: O Blackboard Open LMS oferece o PLD (Personalized Learning Designer) que, por exemplo, permite criar regras e ações específicas de acordo com o engajamento e desempenho dos alunos. Clique aqui e conheça

Progresso de alunos e taxa de aprovação nas disciplinas

  • O que esse indicador significa?

O percentual de alunos aprovados e reprovados nas disciplinas oferecidas pela IES são um ótimo indicador para avaliar a compreensão do conteúdo, em especial, conteúdo EAD. Uma matéria que esteja com alto índice de repetência merece atenção.

  • Como mensurar?

A taxa de aprovação está disponível para todos gestores de IES. Converse com professores e alunos das disciplinas que destoarem da média (para mais ou para menos). Você conseguirá planejar ações contra problemas  e também gerar benchmarks.

  • Com que frequência?

Esta é uma métrica semestral, pois depende do encerramento das disciplinas do semestre para ser levantada.

Capacitação e formação continuada dos professores

  • O que esse indicador significa?

Este dado indica a qualidade do ensino e do suporte que os estudantes estão recebendo. Além disso, o número é também um critério para obter a almejada nota 5 na avaliação do MEC .

  • Como mensurar?

Estabeleça uma política de incentivo à qualificação para professores tanto da modalidade presencial quanto EAD. Estabeleça metas e, depois, mensure a quantidade e o peso dos eventos e cursos dos quais os professores da IES participaram.

  • Com que frequência?

O acompanhamento deste indicador pode ser anual, pois não é tão simples levantar essas informações com muita frequência.

Próximos passos

Por fim, colocar em prática uma gestão mais norteada por indicadores da IES é o melhor caminho para oferecer maior qualidade de ensino. Com cada vez mais conteúdo EAD, é essencial observar métricas para compreender se as disciplinas e a instituição como um todo estão operando com a performance desejada. Conte com as soluções da Blackboard e os conteúdos da Sagah para otimizar e facilitar o controle destes e outros dados.

25 de setembro de 2019
O quê fazer quando o Moodle não atende mais as necessidades da sua IES?

Estou insatisfeito com o meu Moodle, e agora?

Encontrar o ambiente virtual de aprendizagem ideal para sua IES é fundamental para atrair e reter alunos, tanto no modelo presencial quanto no EAD. 

Garantir a melhor experiência de ensino é o objetivo de toda IES. E muitas investem nos ambientes virtuais de aprendizagem para alcançá-lo. Ao oferecer recursos que complementam e expandem os conteúdos de sala de aula, essas plataformas enriquecem o processo pedagógico.

Mas o que fazer quando o Moodle não está mais atendendo às necessidades da sua IES? A alternativa é buscar opções mais completas. O Blackboard Open LMS é um ambiente virtual de aprendizagem baseado em Moodle, só que com diversas melhorias.

Veja também :: Católica de Santa Catarina: Migração rápida e segura para Open LMS

Confira as principais perguntas e respostas sobre a migração:

A usabilidade do Blackboard Open LMS é melhor que a do Moodle?

Sim. Com interface limpa e atraente aliada à criação facilitada de conteúdos, o Blackboard Open LMS oferece uma ótima experiência a seus usuários. Além disso, ele reduz o número de cliques necessários para executar qualquer tarefa. Com ele, os estudantes terão uma visão mais amigável dos conteúdos, podendo realizar provas e trabalhos direto na plataforma.

A Blackboard oferece suporte técnico?

Com certeza. Um dos grandes diferenciais do Blackboard Open LMS é a disponibilidade de serviços de suporte. Isso tanto em caso de problemas técnicos quanto na manutenção da plataforma. A instituição recebe consultoria sobre soluções que irão funcionar melhor de acordo com suas necessidades.

Além disso, a IES pode contar com todo auxílio e orientação na hora de fazer a migração. Há também programas de treinamento para administradores e tutoriais para usuários finais, todos com linguagem clara e acessível.

Como é o processo de personalização da plataforma?

Ao deixar o gerenciamento e a hospedagem do AVA com o Blackboard Open LMS, você não precisa se preocupar com adaptações de conteúdos ou formatos. Sua equipe ganha esse tempo que investia no Moodle. Eles podem usá-lo para personalizar aulas e treinamentos, avaliar a participação de cada aluno e gerar relatórios que vão potencializar a experiência de cada aula. Outra vantagem é que não há restrição quanto ao formato dos conteúdos.

A análise dos dados é melhor do que no Moodle?

A ferramenta X-Ray Learning Analytics do Blackboard Open LMS é capaz de gerar relatórios completos sobre o desempenho dos alunos. Cada professor pode decidir sobre a melhor forma de ajudar os estudantes.

É possível segmentar os resultados por fatores como desempenho acima ou abaixo da média e mensurar quais os tipos de conteúdo e abordagens que funcionam melhor em cada turma. A cereja do bolo fica por conta da capacidade preditiva que indica tendências futuras. Tudo isso proporcionará uma melhor experiência de aprendizagem para todos.

Vou perder a integração com os sistemas que já tenho na minha IES?

Não. Provavelmente sua instituição já utiliza softwares específicos em seus setores administrativo, financeiro ou até mesmo em sala de aula. Por isso, o Blackboard Open LMS se integra facilmente a essas ferramentas, evoluindo sua usabilidade.

Gostaria de oferecer aulas virtuais, tutorias online ou gravar vídeos para os alunos? Tem interesse em integrar seu sistema acadêmico para gerenciar seus alunos com maior precisão? Esses são apenas alguns exemplos das possibilidades que o Blackboard Open LMS oferece.

Não deixe sua instituição presa a uma ferramenta que não atende suas necessidades, conheça o Blackboard Open LMS.

Participe :: Evento online, dia 10/09 às 15h, “O que fazer quando o Moodle não está mais atendendo as necessidades da sua IES?”

16 de agosto de 2019

Como escolher o Sistema de Gestão de Aprendizagem ideal?

Os alunos que estão frequentando os colégios e universidades de hoje são completamente diferente dos colegas que seus pais tinham quando estudavam. São mais experientes em tecnologia e mais flexíveis quando se trata de como e onde eles aprendem.

Ao longo dos últimos 20 anos, o Sistema de Gestão de Aprendizagem tem ajudado as instituições a acompanharem a evolução desse novo perfil de estudante – e a ajudá-los a prosperar. Identificar o Sistema de Gestão de Aprendizagem ideal para sua instituição de ensino pode ser complexo. Veja abaixo alguns tópicos que devem ser considerados antes de tomar essa decisão.

Neste outro artigo, leia sobre Ambientes Virtuais de Aprendizagem: Tecnologia garante o sucesso dos alunos.

Então, você precisa de um Sistema de Gestão de Aprendizagem. E agora?

Apoio às instituições em crescimento Soluções escaláveis evoluem com as necessidades dos professores e com os padrões em constante mudança.

Centrado nos estudantes O Sistema de Gestão de Aprendizagem deve estar engajado com os estudantes acostumados com a tecnologia e com os alunos móveis, que buscam aprender em qualquer lugar.

Estímulo à acessibilidade Pensar em oportunidades educacionais iguais promove a inclusão de todos os estudantes.

Envolvimento com os aprendizes Um Sistema de Gestão de Aprendizagem deve evoluir com a mesma velocidade das novas tecnologias educacionais.

Integrado a outras plataformas digitais Provavelmente sua instituição já utiliza alguns softwares em setores como administrativo, financeiro ou até em sala de aula. É recomendado que seu novo Sistema de Gestão de Aprendizagem consiga se integrar com essas ferramentas e evoluir seu uso.

Promova o sucesso a longo prazo Ofereça suporte contínuo a treinamento e capacitação dos professores para promover o sucesso dos estudantes, seja por meio de materiais para dar suporte ao conteúdo de sala de aula ou seja com suporte a inovação na instituição.

Agora que você sabe alguns dos pontos fundamentais a serem avaliados antes de definir o melhor LMS para sua instituição, conheça melhor nosso Sistema de Gestão de Aprendizagem: Blackboard, parceira de mudanças na educação.

13 de setembro de 2017
ambientes virtuais de aprendizagem

Ambientes virtuais de aprendizagem: tecnologia e o sucesso dos alunos

Os ambientes virtuais de aprendizagem (AVA) passaram por um longo percurso na evolução dentro das Instituições de Ensino Superior. Começaram como sistemas de gestão de aprendizagem se transformaram em uma ferramenta de gerenciamento de cursos. Eles permitem que os alunos se inscrevam nas aulas e com isso, auxiliam os administradores e instrutores a manterem o controle da rotina escolar ou acadêmica.

Com o tempo, os Learning Management Systems (LMS), nome em inglês para ambientes virtuais de aprendizagem, evoluíram e incluíram recursos importantes. Em primeiro lugar, alguns deles são a entrega e gestão de conteúdo, avaliações, acompanhamento financeiro, elaboração de relatórios, entre outros.

A educação a distância se expandiu, e as melhores soluções AVA estavam lá para apoiar os alunos, instrutores e instituições que estavam à frente. O mesmo vale para a revolução do dispositivo móvel: as ferramentas de ponta se adaptaram e deram suporte para o desenvolvimento do ensino utilizando também as plataformas móveis. A tecnologia avança e, conforme surgem novas oportunidades de inovação no contexto de aprendizagem, as soluções continuam a evoluir para se tornar um ambiente cada vez mais abrangente.

Evolução dos ambientes virtuais de aprendizagem

A evolução contínua das soluções AVA é uma boa notícia para as faculdades e universidades. Isto porque o sucesso do aluno é cada vez mais ligado ao quanto a instituição inclui a tecnologia em seus cursos. Isso também significa que existem dezenas de opções a serem consideradas pelos administradores e reitores. Portanto, escolher um AVA multifacetado se torna muito mais desafiador. Isto porque é mais do que simplesmente comprar um produto com uma única finalidade.

Quando se trata de ambientes virtuais de aprendizagem, não há como escolher clicando em um produto e o adicionando a seu carrinho de compras via site. A tarefa inclui muito mais fatores a serem considerados. Diversos fornecedores investem em aprimoramentos contínuos para expandir e refinar as ferramentas tecnológicas. Isso torna um ambiente de aprendizagem integrado e completo, colaborando com praticamente todos os aspectos da educação.

ambientes virtuais de aprendizagem

Muito além dos AVA

A avaliação do AVA que melhor atende a sua instituição está diretamente ligada às suas metas e estratégias. Porém, alguns pontos são comuns entre todas as faculdades e universidades. São eles, fornecer a melhor experiência educacional, alçando os alunos para posições de sucesso.

As soluções mais modernas combinam AVAs tradicionais com capacidades que permitem, entre outras coisas:

  • Colaboração entre alunos em projetos de classe;
  • Interação com seus instrutores fora da sala de aula (por exemplo, encontros durante horas de escritório virtual);
  • Funções administrativas, como registro de curso;
  • Suporte técnico utilizando os dispositivos e ferramentas sociais usuais; Aumento das ofertas de cursos em tempo real com o ensino a distância síncrono (quando professor e aluno estão na sala de aula virtual ao mesmo tempo);
  • Que faculdades e universidades encontrem uma plenitude de dados obtidos na ferramenta, podendo melhorar os resultados educacionais e desempenho financeiro.

Assim, quando se trata de escolher um ambiente virtual de aprendizagem, há muito a se considerar. Você vai querer se certificar de que o caminho escolhido não atende somente às necessidades da instituição. Mas também antecipa a futura direção do ensino superior. Por fim, acredite, isso vai muito além da utilização de um par de ferramentas tecnológicas.

16 de dezembro de 2016

Como estudantes bem-sucedidos usam Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA)

como estudantes usam o ava

Analisar continuamente como as plataformas de ensino contribuem para os resultados dos alunos é fundamental para compreender como as ferramentas atendem às necessidades de aprendizado. A equipe da Blackboard dos Estados Unidos realizou um estudo no primeiro semestre deste ano que trouxe variados insights sobre padrões de uso do AVA pelos estudantes, além de outras conclusões relacionadas ao consumo dos seus conteúdos. Para a pesquisa, os profissionais selecionaram alguns cursos realizados durante os meses de março e junho, cujos dados tanto de alunos quanto de instituições permaneceram anônimos. A amostra ficou composta, então, de 601.544 alunos de 18.810 cursos que utilizam a plataforma Blackboard Learn. Nesses cursos, viram a seguinte distribuição de uso do AVA. A maior parte do tempo é utilizada com o conteúdo do curso. O gráfico abaixo não considera o tempo utilizado para solucionar algumas atividades, como tarefas, realizadas em geral fora do AVA. Ainda assim, representa um cenário do consumo da ferramenta.

Além disso, para entender a relação entre a nota do aluno e o consumo da ferramenta, também foram feitas análises. As notas dos estudantes foram categorizadas em Alta (+80), Média (entre 60 e 79) e Baixa (-60). E o uso da ferramenta foi fracionado em percentuais: Alto (75%-100%), Médio (50%-74%), Baixo (25%-49%), Muito Baixo (0-24%), and Nulo. Sabe-se que apenas o uso da tecnologia não melhora o aprendizado. Contudo, a correta interpretação dos dados pode fornecer indicadores interessantes que podem auxiliar gestores e professores para que proporcionem o melhor ensino possível. Notas dos alunos A frequência com que os estudantes conferem suas notas foi o indicador de bons resultados mais consistente da análise. Isso porque os alunos bem-sucedidos veem seus resultados assiduamente, enquanto alunos que estão indo mal não verificam esse local da ferramenta. Estudantes que nunca acessam suas notas, portanto, têm mais chances de ter resultados ruins do que aqueles que verificam a seção pelo menos uma vez. Conteúdo do Curso A área de Conteúdo do Curso do Blackboard Learn é onde os alunos passam mais tempo. E a relação entre o acesso à seção e as notas atingidas ficou bem clara. Um resultado interessante também mostrou que o seu uso além da média estaria relacionado com uma queda nas notas. Ou seja, alunos que consomem o conteúdo além do que foi considerado a média de uso têm menos chances de conquistar notas mais altas. É possível pensar em algumas justificativas para isso: alguns alunos bem-sucedidos precisam acessar o conteúdo apenas uma vez; eles podem ter mais facilidade para aprendizado, adquirido já na primeira leitura, ou salvam os arquivos para consumo fora do AVA. Ainda, o aumento de acesso na seção pode ser causado por alunos buscando o conteúdo logo antes de exames ou entregas de trabalhos. Avaliações e Tarefas Quando estudantes não fazem avaliações ou não entregam tarefas do curso, tiram notas menores. Esse resultado não chega a ser surpreendente, mas o interessante foi descobrir que esse não é o principal indicador de notas baixas. Também nessa seção, outro fator de destaque descoberto foi que estudantes que passam mais tempo realizando avaliações do que a média possuem notas menores. É possível entender, portanto, que alunos que dominam o material do curso conseguem responder a questões de provas e tarefas de forma mais rápida; aqueles que passam mais tempo ponderando sobre as atividades – e, então, ficam mais tempo nessa seção da ferramenta – tendem a ser aqueles alunos que possuem mais dificuldade com os materiais. A relação é mais forte, ainda, recortando o tempo gasto na seção de Avaliações – cujo tempo é monitorado – do que na seção Tarefas, que podem ser realizadas fora da plataforma.

24 de novembro de 2016

O LMS e o sucesso do curso a distância

lms-educacao-a-distancia-blackboard Alinhar os objetivos da sua instituição a um bom LMS (Learning Management System) – ou AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) – pode garantir o sucesso do seu curso a distância. Em uma plataforma de e-learning qualificada, alunos encontram aprendizados personalizados, adaptados às suas necessidades e rotinas. Rompendo limites físicos, as plataformas de ensino online democratizam a educação e permitem que estudantes acompanhem as aulas de qualquer parte do mundo.

Além de disponibilizar todo o material do curso de EAD, as plataformas LMS também dão suporte a alunos e se transformam em canais de comunicação com professores. Permitem, ainda, que todo o conteúdo do curso seja adaptado para diferentes formatos e mídias, como vídeos e infográficos. Algumas opções também permitem a realização de webconferências, proporcionando o contato com o tutor em tempo real.

Uma plataforma de ensino online assegura mobilidade: o aluno pode assistir às aulas quando e onde achar mais apropriado, acessando-as do dispositivo que preferir, como tablets e smartphones. E tem, ainda, a possibilidade de seguir o curso conforme seu próprio ritmo.

Para a organização, o custo de uma plataforma de EAD é mais baixo em relação ao ensino presencial. Afinal, com um LMS, é possível ter um número ilimitado de pessoas participando do mesmo curso, ampliando seu alcance sem aumentar despesas com novas salas ou espaços físicos.

Ferramentas de EAD de qualidade possuem navegação intuitiva e acesso facilitado à metodologia de cada curso. Proporcionam também mais inteligência à instituição de ensino, que pode ter à disposição relatórios para acompanhamento dos alunos. Os dados gerados possibilitam a criação de estratégias mais assertivas para evitar a evasão e aprimorar os cursos.

A expansão dos cursos de educação a distância é inegável. Hoje, existem escolas focadas exclusivamente em aulas online, além de renomadas instituições, como Harvard e Stanford, que já oferecem cursos EAD. As opções são inúmeras, desde capacitações, graduações a especializações. Saber como escolher o melhor LMS é, portanto, fundamental.

3 de novembro de 2016
o-que-e-lms

O que é LMS e para que serve?

Os LMS – Learning Management Systems ou, traduzindo, Sistema de Gestão da Aprendizagem, são, em resumo, os ambientes em que tudo acontece nos cursos de educação a distância ou semipresenciais. Enquanto no ensino presencial é necessário uma estrutura física (um colégio, uma sala de aula, mesas e cadeiras), no EAD o LMS assume a função de suporte ao aluno. São nestes espaços que o aprendizado e a troca entre aluno e professor acontece.

É por meio do LMS que o estudante acessa os conteúdo dos cursos. Além disso, é neste local que ficam tarefas, avaliações, salas de convivência, fóruns e outros. Além de mediar e organizar o processo de aprendizagem, os sistemas permitem integrar diversas mídias e recursos. Com o intuito de facilitar e motivar o ensino. Por esse motivo, escolher a plataforma LMS que mais se adapta às metas estratégicas de sua Instituição de Ensino é fundamental para ter sucesso nos cursos a distância.

Saiba como escolher o melhor LMS e utilizá-lo com êxito.

O que é um bom LMS?

Uma boa ferramenta de LMS entrega uma melhor experiência ao usuário. Proporciona uma variedade de formatos de conteúdo, design e técnicas de avaliação dos alunos. Ao gerar estatísticas e relatórios de uso, é possível acompanhar o rendimento dos estudantes. Dessa maneira, evitando frustração com o curso e evasão. Isso é fundamental para o bom funcionamento de aulas de educação a distância e semipresenciais.

As plataformas LMS estão em constante evolução, tornando-se cada vez mais intuitivas. Hoje, é possível inclusive utilizar os ambientes de ensino a partir de dispositivos móveis, como celulares e tablets. Por fim, existe também a possibilidade de terceirizar o armazenamento de dados, evitando que a Instituição de Ensino precise investir em grandes servidores.

Acessibilidade

Este espaço online assegura mobilidade para os estudantes. A oportunidade do aluno de poder assistir às aulas quando e onde achar mais apropriado é essencial no EAD. Os estudantes podem acessar o conteúdo do dispositivo que preferir, como tablets e smartphones, por exemplo. Existe ainda a possibilidade de seguir o curso conforme seu próprio ritmo.

Leia também:
:: Aplicativo Mobile como um poderoso facilitador do engajamento educacional
:: O LMS e o sucesso do curso a distância

12 de outubro de 2016