Blog

10 de Abril de 2019

Os destaques da Blackboard no Encontro da Comunidade 2019

Atividades começaram às 8h30, e a novidade deste ano foi a participação da Symplicity, unidade de negócio do Grupo A

Demonstrações técnicas, divulgação de cases de sucesso, palestras, workshops, promoção de networking: assim foi o Encontro da Comunidade Blackboard, SAGAH e Symplicity. O evento reuniu representantes de diversas instituições de ensino superior (IES) ao longo da quarta-feira, 10 de abril, no campus Vila Sônia da Universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo (SP).

Além de receberem capacitação e novas instruções sobre as soluções educacionais do Grupo A, os participantes tiveram a oportunidade de conhecer experiências de instituições de diferentes perfis, dedicadas a projetos variados. As apresentações foram conduzidas por clientes, gestores do Grupo A e profissionais da Blackboard, da SAGAH e da Symplicity – unidade de negócio estreante no encontro.

Na abertura do evento, o diretor comercial do Grupo A saudou os presentes e reforçou o caráter relevante do encontro. “O número de participantes está crescendo a cada ano, o que mostra o amadurecimento e a força da nossa comunidade de clientes”, disse Bruno Weiblen. Cerca de 175 pessoas participaram do Encontro da Comunidade.

Manhã de workshops dinâmicos

A manhã seguiu com uma breve explanação de Rafael Kuhn, diretor de edtech do Grupo A, sobre a importância da tecnologia no setor. Na sequência, foram promovidas duas dinâmicas.

A primeira, ministrada pelo especialista em metodologias ativas Gustavo Hoffmann, foi sobre a portaria 1.428/2018. A norma permite que, a partir do cumprimento de certos requisitos, instituições de ensino ampliem a carga horária a distância de cursos presenciais – de 20% para 40%.

Hoffmann, que também é diretor do Grupo A, aplicou a metodologia de peer instruction para a atividade. Ele interagiu com o público pela internet e utilizou casos hipotéticos para destacar as combinações necessárias à ampliação dos 40%. Os requisitos incluem ter o mesmo curso presencial na versão EAD, Conceito Institucional 4 e não estar respondendo a processo de supervisão do MEC.

Na apresentação, Hoffmann também falou sobre ensino híbrido – que, para ele, representa o futuro da educação. “Já temos metodologias e tecnologias. Agora, é fazer acontecer. Vamos explorar os recursos que a legislação permite de forma mais inteligente”, incentivou.

O segundo workshop foi dirigido por Analía Hernández, da Blackboard, e Fernanda Furuno, da área de soluções educacionais do Grupo A. Elas dividiram a plateia em 10 grupos, todos discutindo e elencando habilidades e competências necessárias para a formação de profissionais do século 21.

Furuno também lembrou que no último Encontro da Comunidade, em 2018, as instituições sugeriram uma série de ideias para o Grupo A, de modo a fornecer melhor suporte. “Desde então, nós do Grupo A participamos de diversas semanas acadêmicas com os clientes das instituições, impactando mais de mil professores e coordenadores.”

Ela destacou, ainda, que será lançado em breve o Learning Center, um ambiente virtual para acesso a soluções do Grupo A e a informações do setor.  A plataforma, elaborada com base na enquete do ano passado, também proporcionará a troca de experiências entre instituições.

Apresentações simultâneas

Outras quatro sessões foram realizadas no período da tarde – cada uma com quatro apresentações simultâneas sobre as soluções da Blackboard, da SAGAH e da Symplicity.

As reuniões da Blackboard tiveram sala cheia. Em pauta, cases de migração para o Blackboard Ultra, boas práticas do Blackboard Learn e as funcionalidades do Collaborate. As sessões foram conduzidas por profissionais da Blackboard e por representantes de instituições – como Renato Dutra, do Centro Universitário IESB, de Brasília, e Enzo Moreira, da área de EAD do Grupo Ser Educacional.

“Antes de aderirmos à Blackboard, chegamos a usar quatro LMS diferentes. Mas graças a Deus acertamos ao optar pela Blackboard, uma ferramenta que atende a necessidade da instituição sem grande custo de integração”, disse Moreira, da Ser Educacional.