Blog

23 de Janeiro de 2013

A sala de aula invertida de Salman Khan

Em sua primeira visita ao Brasil –com direito a conversa com a presidenta Dilma Rousseff e com o ministro da Educação, o professor Salman Khan que virou celebridade, teve suas aulas assistidas quase 230 milhões de vezes nos últimos sete anos e, no ano passado, foi considerado uma das 100 pessoas mais influentes do mundo. Ex-aluno do MIT e Harvard, gravou vídeos curtos, bem diretos ao ponto, com a explicação narrada ao fundo e números aparecendo em uma lousa para ajudar uma prima com dificuldades em matemática. Sem saber, suas aulas não estavam mais ajudando apenas Nadia, mas parentes, amigos e até os filhos do Bill Gates.

Quando chegaram ao YouTube, os vídeos se tornaram tão populares que o educador largou o mercado financeiro para se dedicar à Khan Academy, que hoje usa o mesmo formato para dar aulas de matemática, ciências, programação e humanidades. Com sua própria academia, Khan começava a liderar um movimento de reformulação de salas de aula em todo mundo, invertendo a sala de aula, ou o que em inglês é chamado de flip the classroom. Isso mesmo: ele tem colocado a classe de cabeça para baixo. O conceito de sala de aula invertida tem encontrado adeptos não apenas na educação básica, mas também na educação superior. A ideia é usar os recursos educacionais recentemente popularizados pela tecnologia, como as videoaulas ou ambientes virtuais de determinados cursos, para que o aluno tenha contato com o conteúdo em casa. Assim, o tempo da sala de aula fica liberado para que professores e alunos avancem no aprendizado, seja fazendo exercícios, tirando dúvidas, promovendo debates. Um infográfico ilustra a ideia de Salman Khan, veja: Fonte: porvir.org