Blog

9 de Abril de 2015

Fórum de Lideranças debateu a educação em evento nesta quarta-feira

O Fórum de Lideranças reuniu líderes e gestores de diversas instituições de ensino para debater o futuro da educação em evento nesta quarta-feira (8), em Curitiba. Na programação, palestras e apresentação de cases destacaram a importância da mudança dos modelos de educação e da integração da tecnologia na nova sala de aula. Todos os palestrantes destacaram que o maior desafio é fazer essa mudança de cultura e metodologia junto ao corpo acadêmico. É importante que ocorra uma mudança cultural para que os docentes saiam do modelo expositivo tradicional de sala de aula e se adaptema esse novo modelo de sala de aula invertida, em que o aluno passa a ter um outro papel, passa a ser o centro de tudo. Além disso, todos os palestrantes reiteraram que as instituições têm investido em treinamento para os professores e que já ocorre uma mudança de postura – tanto dos docentes como dos alunos. Gustavo Hoffmann, da Unipac, apresentou a palestra “A nova sala de aula” e destacou que metodologia tem a ver com ensino: – Se existem formas mais eficientes de ensino, por que não usar? Dois motivos: ignorância e resistência a mudança. Talvez a melhor forma de convencer o professor seja apresentar a metodologia antes de colocar qualquer imposição. Hoffmann também apresentou o que chamou de desafios do ensino superior brasileiro: – Qualificação do corpo docente. Os professores não foram preparados para essa realidade e muitos não querem mudar esse modelo ao qual já estão acostumados. – Tecnologia. Você tem que ter um sistema eficiente, que permita também algo fundamental: a comunicação em tempo real entre professores e alunos. – Conteúdo de qualidade. – Iniciativa por parte dos líderes da Instituições de Ensino, que ainda hoje não sabem exatamente como inovar e têm medo de errar.

Cosme Massi, da Hoper, também destacou que o ser humano é uma máquina de aprender e enfatizou: – O problema não é aprender, mas sim a taxa de aprendizagem. Saber como melhorar essa taxa é o desafio das novas metodologias. É preciso fazer com que sejamos mais eficientes e eficazes. O desafio é convencer e motivar o professor para ele perceber que vale a pena sair do tradicional e inovar. Fotos: Daniel Derevecki