Blog

3 de Fevereiro de 2014

Ensino híbrido depende da formação de docentes


A 44º edição do no Fórum Econômico Mundial, realizado em Davos, na Suíça, entre os dias 22 e 25 de janeiro, teve um painel dedicado exclusivamente ao ensino híbrido (ou blended learning, em inglês). Chamado de O Futuro da Aprendizagem (ou The Future of Learning), o encontro contou com a presença de Fred van Leeuwen, secretário geral da Education Internacional, entidade que representa as organizações de professores em todo o mundo. Com a premissa de que o ensino híbrido vai ser cada vez mais difundido, o objetivo do painel foi identificar as maiores barreiras que precisam ser enfrentadas para que o modelo funcione globalmente e pensar em possíveis soluções.

Van Leeuwen destacou os dois principais desafios: o primeiro é colocar a formação de professores e o desenvolvimento profissional como requisitos essenciais para que seja feito um bom uso de tecnologias, como por exemplo, as plataformas on-line. Para possibilitar um melhor processo de aprendizagem, essas tecnologias devem ser usadas sob a supervisão de educadores qualificados e com experiência. “Justamente no momento em que precisamos ajudar os alunos a desenvolver habilidades e comportamentos do século 21, estamos reduzindo o papel e o espaço de profissionais que têm a competência para fornecer essa ajuda e orientação em um contexto de mundo real”, disse van Leeuwen. “Ensino híbrido sem professores qualificados pode facilmente tornar a educação branda.”

Em segundo lugar ele enfatizou que, devido à disponibilidade limitada de acessibilidade à tecnologia on-line, dependendo da localização geográfica dos alunos ou situação econômica, este tipo de aprendizagem pode exacerbar as desigualdades na educação. E ressaltou a importância de investimentos, que são fundamentais para integrar essas tecnologias no processo de ensino e aprendizagem. “Os governos têm de alocar os recursos necessários para desenvolver tecnologias voltadas para as escolas e instituições de ensino e garantir que elas sejam disponibilizadas gratuitamente para todos”, afirmou.

Adaptado via Porvir