Na Universidade de Groningen, os alunos gerenciam sua própria experiência de aprendizagem

Universidade de Groninger Com uma forte tradição acadêmica que oferece pesquisa e ensino de alta qualidade, a Universidade de Groningen, fundada em 1614, investe em agilidade nas mudanças para se manter no topo das tabelas internacionais de classificação universitária. A instituição se tornou mais inovadora, robusta e resiliente no uso da tecnologia para continuar crescendo, sempre com foco em quatro pontos: > Otimizar a experiência online do aluno, dando suporte ao crescimento internacional; > Personalizar as experiências de ensino e aprendizado dos alunos; > Desenvolver estratégias de avaliação e feedbacks eficientes; > Criar eficiências institucionais e acadêmicas por meio da integração dos sistemas. >> Saiba como a tecnologia pode ajudar sua instituição a atingir suas metas estratégicas Usuária desde 1999 do Blackboard Learn, a instituição incorporou também, em 2010, o Blackboard Managed Hosting. A iniciativa proporcionou uma experiência melhor e mais estável para seus professores e alunos, além de desonerar a universidade dos riscos operacionais de hospedar internamente o ambiente virtual de aprendizagem, permitindo a expansão do uso. “A transição permitiu que a instituição se concentrasse na missão central de educação – e não em gerenciar tecnologia”, defente Louwarnoud Van Der Duim, responsável por suporte e inovação educacional do Centro de Tecnologia da Informação da Universidade de Groningen. Envolvimento dos alunos na gestão de sua experiência educacional O segundo passo foi empregar alunos para ajudar a dar suporte ao ambiente de aprendizagem, desenvolvendo novas aplicações e serviços institucionais. Além disso, possibilita parceria, colaboração, envolvimento e tomadas de decisões dos alunos em todos os níveis, colocando-os no controle de sua própria experiência de aprendizagem. Aplicação de avaliações digitais Desde a transição para uma solução de hospedagem gerenciada, a Universidade de Groningen aplica provas online, incluindo a submissão de avaliações dissertativas durante até 15 horas por dia, seis dias por semana. A principal meta dessa mudança para o digital é melhorar a qualidade das provas, fornecendo ao aluno tecnologia que o ajuda na pesquisa, no desenvolvimento e na submissão de seus textos. Isso aumentou a qualidade das avaliações de muitos estudantes. No primeiro ano, 200 professores marcaram provas online, poupando 6600 horas acadêmicas de correção e submissão de notas. Redução nos níveis de evasão A universidade registrou melhorias consideráveis na redução dos índices de evasão e no aprimoramento das taxas de sucesso no nível de graduação. Utilizando dados do Sistema Acadêmico e da Blackboard, a Groningen desenvolveu um sistema de alerta para que os acadêmicos fiquem atentos ao desempenho dos alunos. Essas informações são usadas a fim de proporcionar auxílio e suporte adicionais para evitar a desistência. “Nós estamos estruturados de forma que o estudante tem liberdade para, se quiser, montar sua própria grade de horários. Nós não apenas oferecemos isso através da nossa versão web do ambiente Blackboard, mas também possuímos uma versão mobile onde mostramos exatamente as mesmas informações, para que eles possam acessá-las onde quer que estejam”, conta Lisette Bakalis, gerente de projetos responsável pelo ambiente virtual de aprendizagem da universidade. Está com dificuldades para implementar a tecnologia em sua instituição? Baixe nosso Guia de Adoção da Tecnologia e tire suas dúvidas.

Na Universidade de Groningen, os alunos gerenciam sua própria experiência de aprendizagem

Universidade de Groninger Com uma forte tradição acadêmica que oferece pesquisa e ensino de alta qualidade, a Universidade de Groningen, fundada em 1614, investe em agilidade nas mudanças para se manter no topo das tabelas internacionais de classificação universitária. A instituição se tornou mais inovadora, robusta e resiliente no uso da tecnologia para continuar crescendo, sempre com foco em quatro pontos: > Otimizar a experiência online do aluno, dando suporte ao crescimento internacional; > Personalizar as experiências de ensino e aprendizado dos alunos; > Desenvolver estratégias de avaliação e feedbacks eficientes; > Criar eficiências institucionais e acadêmicas por meio da integração dos sistemas. >> Saiba como a tecnologia pode ajudar sua instituição a atingir suas metas estratégicas Usuária desde 1999 do Blackboard Learn, a instituição incorporou também, em 2010, o Blackboard Managed Hosting. A iniciativa proporcionou uma experiência melhor e mais estável para seus professores e alunos, além de desonerar a universidade dos riscos operacionais de hospedar internamente o ambiente virtual de aprendizagem, permitindo a expansão do uso. “A transição permitiu que a instituição se concentrasse na missão central de educação – e não em gerenciar tecnologia”, defente Louwarnoud Van Der Duim, responsável por suporte e inovação educacional do Centro de Tecnologia da Informação da Universidade de Groningen. Envolvimento dos alunos na gestão de sua experiência educacional O segundo passo foi empregar alunos para ajudar a dar suporte ao ambiente de aprendizagem, desenvolvendo novas aplicações e serviços institucionais. Além disso, possibilita parceria, colaboração, envolvimento e tomadas de decisões dos alunos em todos os níveis, colocando-os no controle de sua própria experiência de aprendizagem. Aplicação de avaliações digitais Desde a transição para uma solução de hospedagem gerenciada, a Universidade de Groningen aplica provas online, incluindo a submissão de avaliações dissertativas durante até 15 horas por dia, seis dias por semana. A principal meta dessa mudança para o digital é melhorar a qualidade das provas, fornecendo ao aluno tecnologia que o ajuda na pesquisa, no desenvolvimento e na submissão de seus textos. Isso aumentou a qualidade das avaliações de muitos estudantes. No primeiro ano, 200 professores marcaram provas online, poupando 6600 horas acadêmicas de correção e submissão de notas. Redução nos níveis de evasão A universidade registrou melhorias consideráveis na redução dos índices de evasão e no aprimoramento das taxas de sucesso no nível de graduação. Utilizando dados do Sistema Acadêmico e da Blackboard, a Groningen desenvolveu um sistema de alerta para que os acadêmicos fiquem atentos ao desempenho dos alunos. Essas informações são usadas a fim de proporcionar auxílio e suporte adicionais para evitar a desistência. “Nós estamos estruturados de forma que o estudante tem liberdade para, se quiser, montar sua própria grade de horários. Nós não apenas oferecemos isso através da nossa versão web do ambiente Blackboard, mas também possuímos uma versão mobile onde mostramos exatamente as mesmas informações, para que eles possam acessá-las onde quer que estejam”, conta Lisette Bakalis, gerente de projetos responsável pelo ambiente virtual de aprendizagem da universidade. Está com dificuldades para implementar a tecnologia em sua instituição? Baixe nosso Guia de Adoção da Tecnologia e tire suas dúvidas.

19 de setembro de 2016

Ferramentas Blackboard colaboram para ampliação de cursos a distância na Feevale

feevale e blackboard Desenvolver a sociedade e entregar aos alunos excelência no processo de ensino e aprendizagem são diretrizes fundamentais da Feevale, que investe constantemente em tecnologia para atingi-las. Desde 2013, a universidade encontrou na Blackboard as ferramentas necessárias para aprimorar a experiência de sala de aula, utilizada como complementação ao ensino presencial e como ambiente virtual no ensino a distância. Como resultado, vê aumentar a satisfação dos estudantes. “Os alunos comentam sobre a facilidade de uso da ferramenta e a diversidade de recursos em sala de aula. Nos cursos presenciais, o professor não dá mais uma aula expositiva, usa diferentes alternativas que estão disponíveis na plataforma. Isso tudo facilita a aprendizagem”, explica Cláudia Lunkes Schmitt, professora da instituição e coordenadora do setor de educação a distância. > Conheça o aluno multimídia (vídeo) O objetivo inicial era ampliar o alcance dos cursos de EAD. Para isso, mostrou-se necessário investir em tecnologia mais robusta, já que, em 2012, a Feevale possuía duas ferramentas que não atenderiam a expectativa de crescimento. Dessa forma, após uma passar por uma consultoria, a instituição optou pela Blackboard, solução utilizada por 72% das 200 maiores universidades do mundo. Hoje, cerca de 16 mil dos 19 mil alunos da Feevale utilizam a ferramenta. Além disso, os quatro cursos de ensino a distância da universidade ocorrem integralmente no ambiente virtual da Blackboard, onde os estudantes acessam conteúdos, atividades de estudo e avaliações. “A ferramenta possibilitou a utilização de recursos que facilitaram a aprendizagem dos alunos. Os professores podem, inclusive, integrar informações de outas plataformas para agregar conhecimento”, resume a professora Cláudia.

Esforço conjunto

É importante reforçar a importância de um trabalho mútuo para o sucesso da implementação do projeto. Desde que adquiriu as soluções da Blackboard, a Feevale investe de forma contínua no treinamento do corpo docente, com o objetivo de estimular e ampliar seu uso como plataforma de ensino. Criou, por exemplo, um alinhamento de método para que os conteúdos publicados na ferramenta tenham uma determinada forma pré-estipulada pela instituição. “Promovemos oficinas e cursos mensais para disseminar o uso completo das ferramentas, além de integrar processos internos, como o diário eletrônico (onde se anotam presenças, ausências e conteúdo da aula), que agora é acessado pelo ambiente da Blackboard”, comenta Carlos Henrique Schwartzhaupt, professor e gerente de TI.

Sistemas integrados e novos processos

A aquisição da Blackboard gerou algumas mudanças nos processos da Feevale. Os sistemas internos foram integrados à ferramenta, e os dados e estrutura tecnológica estão hospedados na nuvem, por meio dos datacenters blackboard, o que aumenta a segurança e reduz custos de pessoal, servidor, manutenção, entre outros. “Antes, precisávamos ter uma equipe focada em atendimento à manutenção da tecnologia. Hoje, a responsabilidade pelo desempenho da ferramenta é da Blackboard, não mais da Feevale. Isso nos dá agilidade e aumenta a produtividade”, comemora Schwartzhaupt. Com planos de buscar o reconhecimento internacional, a Feevale entende que é preciso investir em estrutura. A universidade tem uma veia empreendedora e planeja formar profissionais para o mundo, o que exige bons professores e tecnologia. “O empreendedorismo está associado à inovação. A escolha de uma ferramenta como a Blackboard, com todo o suporte que ela nos entrega, contribui para nosso crescimento e valorização. Sabemos que a plataforma tem um potencial de funcionalidades e aplicações que nos permite diferentes formas de alcançar o aluno e ainda não estamos explorando integralmente. Para frente, planejamos consolidar esse método de ensino”, pontua o gerente de TI, indicando em especial as alternativas colaborativas que podem utilizadas com ainda mais potência pela instituição.

28 de julho de 2016

Implantação da tecnologia com participação ativa do corpo docente: Case PUCPR

Juliana Stahlke, da PUCPR, compartilha no Encontro da Comunidade Blackboard estratégias para implantação das soluções Blackboard na Universidade

Para superar a resistência de alunos e do corpo docente na troca de plataforma tecnológica, a PUCPR incluiu os professores nas decisões. Com isso, organizou um cronograma de implantação que respeitasse o tempo e a decisão de cada um. – Os professores puderam optar pelo melhor momento de troca, no segundo semestre de 2015. Quatro professores foram escolhidos como pioneiros, cada um deles aplicando a nova ferramenta em uma disciplina. A mudança ocorreu por cadeiras, não por cursos – explicou Juliana Stahlke, coordenadora de Tecnologias Educacionais da Universidade, no Encontro da Comunidade Blackboard, que ocorreu em maio. Trabalhando com as duas ferramentas – a anterior e a nova, da Blackboard – simultaneamente até julho de 2017, a Instituição conseguiu, em pouco mais de um semestre, capacitar 35% dos professores e migrar para a nova plataforma 14% das disciplinas. – Também optamos por deixar os professores personalizarem seus espaços virtuais da forma como achassem melhor, penso que isso colaborou com a adoção da ferramenta – disse Juliana. Inicialmente, a PUCPR investiu em workshops diários para professores em início de uso; após, tornaram-se semanais. Além disso, criou sessões tira-dúvidas, cursos presenciais de treinamento, cronograma de capacitação com a intenção de engajar os docentes e equipes de suporte por área: – As sessões de tira-dúvidas foram utilizadas inclusive para montar planejamento de disciplinas para o semestre seguinte, o resultado foi bem efetivo. Planejando um acompanhamento contínuo, a Universidade produziu um hotsite, o Fique por Dentro, com conteúdos sobre uso e recursos da ferramenta, atualizações e perguntas frequentes. – A gente considera importante manter o professor sempre atualizado sobre o processo de adoção para que ele não desmotive. 

22 de junho de 2016

IESB apresenta projeto de capacitação no uso de tecnologia para professores

Equipe IESB e Blackboard Brasil

Equipe IESB e Blackboard Brasil

Rodrigo Estevam, Gerente Geral de TI, e a Pró-reitora acadêmica Regina Tombini, representaram um importante case do IESB, cliente da Blackboard, em evento recente nos Estados Unidos – o BbWorld, maior evento da Blackboard no mundo, que reúne anualmente mais de 2.500 pessoas, representando cerca de 930 instituições de 28 países . Na oportunidade, os dois falaram sobre o projeto “Planejamento e Diagnóstico com Inteligência de Negócios para Aumento de Adoção de Docentes”, baseado na pesquisa sobre a forma de utilização da plataforma Blackboard pelos professores.

Rodrigo Estevam e Regina Tombini

Rodrigo Estevam e Regina Tombini

O IESB – Instituto de Educação Superior de Brasília, fundado em julho de 1994, tem quase 20 mil estudantes nos seus três Campus no Centro de Brasília e em nove campus de educação on-line. Tem como visão consolidar o seu prestígio como instituição que oferece educação de qualidade e como objetivo, tornar-se referência no uso de novas tecnologias aplicadas à educação. Foi o primeiro parceiro da Blackboard no Brasil – sociedade que completa mais de uma década. Entre as estratégias usadas no projeto apresentado, estava a adoção integral de tecnologias na Educação Presencial, por parte dos professores, melhorando o processo de aprendizagem através da utilização da plataforma (Blackboard) e estabelecer a cultura de seu uso. Para isso, foram criados 5 níveis para “avaliar” o os professores e como utilizam a plataforma: Tradicional – Não usa nenhum tipo de plataforma, nem exemplos. Postador, ou Uploader – Utiliza a plataforma de forma básica; Foca no upload de alguns arquivos, geralmente utilizados nas aulas presenciais; Não usa qualquer ferramenta para melhorar o aprendizado ou a sua comunicação com os alunos; Curador – Faz upload de arquivos constantemente; Utiliza atividades para avaliação; Também utiliza arquivos, artigos, vídeos, sites, apresentações, capítulos de livros na Biblioteca Virtual; Se comunica por e-mails e notificações. Interativo – Faz uso contínuo da tecnologia de interação com os alunos; Passa a ser um mediador do processo de aprendizagem; Os alunos discutem suas ideiais com o professor e seus colegas; O aluno passa a ser o foco central do processo de aprendizagem. Construtor, ou BuilderUsa muito a plataforma; Constrói suas próprias estratégias pedagógicas utilizando a plataforma; Avalia os estudantes com atividades na plataforma; Usa artigos, vídeos, sites, apresentações; Se comunica de diversas formas. Após a implantação do projeto, foi concluído que o sucesso para conseguir a adoção da plataforma devia considerar a infra-estrutura e o suporte completo para professores e alunos: “Os professores não são auto-suficientes em tecnologia. Eles precisam de apoio. Este diagnóstico é essencial para melhorar a comunicação e o alinhamento das estratégias e objetivos. Além disso, a plataforma deve ser apresentada como um benefício para todos”, disse Estevam. E completou: “A parceria entre os departamentos de TI e Acadêmico é extremamente importante”. Como ações futuras, destacou a necessidade de considerar os níveis de maturidade na promoção de docentes, além de analisar competências no uso de tecnologias educacionais, preferencialmente a Blackboard, no processo de contratação de novos docentes Confira a palestra completa do projeto do IESB no link abaixo: *Como a apresentação foi feita no BbWorld, nos Estados Unidos, a palestra está em inglês. IESB – Apresentação no BbWorld 2015

17 de setembro de 2015

Feevale divulga vídeo que fala sobre a Blackboard

A Universidade Feevale que adotou recentemente o sistema Blackboard,  fez um vídeo para apresentar a nova ferramenta que vai ser um diferencial da instituição durante pelo menos cinco anos. Veja o vídeo:

19 de Fevereiro de 2013

Grupo Educacional Cruzeiro do Sul oferece novas tecnologias de aprendizagem com apoio do Blackboard

25 de Abril de 2012