Uma revolução sendo criada com o Moodlerooms

A revolução da tecnologia no EAD

 

A forma como pensamos, agimos e convivemos mudou com a tecnologia. Isso ocorreu e influenciou também a educação. Por isso, as universidades que utilizam a inovação para expandir experiências de aprendizagem por meio de plataformas de educação a distância são as que conseguem acompanhar o novo perfil dos estudantes.

O UNASP (Centro Universitário Adventista de São Paulo) é uma delas: a instituição existe há mais de um século e tem quatro campi: Engenheiro Coelho, Hortolândia, São Paulo (sede central) e Virtual. Em todos eles, o grupo educacional oferece uma variedade de cursos e programas de licenciatura, pós-graduação (Lato e Stricto Sensu) e extensão.

Sua filosofia é baseada no respeito e na promoção das crenças adventistas, e abrange áreas muito mais amplas do que o próprio conhecimento: busca incentivar o equilíbrio espiritual, intelectual, físico e social.

>> Veja como a Feevale planeja a ampliação de seu EAD

O plano de estudo tem o objetivo de promover a excelência acadêmica sem abrir mão de valores, justiça e responsabilidade. Tudo isso aliado a estratégias de aprendizagem inovadoras, com a utilização de ferramentas online.

Figura central: o aluno

Quando começou a oferecer cursos de EAD, o UNASP estava motivado a sair do convencional da educação no Brasil e no mundo, em que o professor é a figura central da sala de aula e detentor de todo o conhecimento.

Essa maneira de pensar muda com a educação a distância, porque a atenção é focada no aluno, que desempenha um papel mais ativo e participativo na evolução do aprendizado. Além disso, o mito de que a qualidade do EAD é diferente da oferecida no ensino presencial já foi superado, em virtude dos resultados significativos alcançados pela instituição desde 2005. Esse foi o ano em que os cursos a distância foram introduzidos no UNASP, tendo como suporte a plataforma Moodlerooms. Veja como o LMS se relaciona com o sucesso do curso a distância.

A EAD garante também benefícios em relação à otimização de tempo, reduzindo distâncias: com ela, as agendas individuais podem ser manejadas mais facilmente, evitando que um estudante tenha que viajar periodicamente de casa até a universidade.

– Quando uma universidade passa a investir em EAD, está buscando ampliar seu campo de atuação. O UNASP faz parte de um grupo com 400 unidades escolares, fora outras instituições, localizados em todo o Brasil. Então, a educação a distância foi um passo natural, pois existe a possibilidade de criar polos presenciais de apoio à EAD onde existir uma escola do grupo – explica o Diretor de Produções e Processos do campus Virtual do UNASP, Valcenir do Vale Costa.

Em 2016, o UNASP atendeu mais de 5.000 alunos na educação a distância, aumentando para cerca de 6.500 estudantes nos sete primeiros meses de 2017. Hoje, a instituição oferece cursos de pós-graduação e de extensão a distância, mas já está credenciada para, a partir de 2018, ofertar seis cursos de graduação – Ciências Contábeis, Administração, Pedagogia e Letras – e os tecnólogos em Gestão de RH e Processos Gerenciais.

Capacitação do corpo docente

No início da implantação do projeto no UNASP, o corpo docente apresentou-se um pouco resistente, pois era algo novo com que os professores não estavam acostumados. No entanto, à medida que se desenvolviam as aulas virtuais, suas percepções foram mudando. Três elementos centrais começaram então a se apresentar: ter, dominar e fazer uso adequado, ideal e harmonioso das ferramentas digitais.

Cada professor é treinado e está constantemente aprendendo e conhecendo as aplicações e outros temas relacionados às ferramentas online. O interessante é que o UNASP utiliza diferentes estratégias para essa capacitação.

– Hoje, não trabalhamos mais com a capacitação em tecnologia por si só. Nós desenvolvemos atividades complementares para que os professores se atualizem em seus campos de atuação, atividades essas que são realizadas com apoio da plataforma tecnológica. Assim, o uso da ferramenta acaba se tornando secundário, não é o foco do professor, o que diminui sua resistência e aumenta sua familiaridade – esclarece Valcenir Costa.

Para ele, o professor tem o importante papel de facilitador do aprendizado. Portanto, a tecnologia não vai substituí-lo. Mas, se ele não procurar inovar, consequentemente estará se colocando do lado de fora da sala de aula.

Assim, são empregados todos os esforços para capacitar e motivar constantemente o corpo docente, assegurar que esteja totalmente em sintonia e que entenda as inúmeras possibilidades oferecidas pela tecnologia quanto aos resultados positivos e os processos educativos.

o aluno no centro da educação1600

A evolução da educação

A grande dificuldade de toda mudança não é o estabelecimento de processos tecnológicos, porque esse conhecimento já está disponível. Para colocar o aluno como figura principal no processo de educação, é preciso promover uma mudança cultural, como Valcenir comenta:

– Temos que rever os processos pedagógicos e também a cultura dos professores, porque quem foi formado na educação presencial tem uma resistência natural à educação a distância.

Em todo e qualquer momento, o processo educacional deve ter como ponto central o aluno, por um motivo simples: a educação tem como base o processo de ensino e aprendizagem. O ensino depende do professor, mas a aprendizagem, do aluno. E quando o estudante é colocado como figura principal nesse processo, ele é incentivado a buscar complementação ao conteúdo em diferentes lugares, a procurar o conhecimento.

A educação a distância exige leitura, debate, estudo, realização de provas e atividades; por isso, é tão importante a ascensão das metodologias ativas, em detrimento da sala de aula tradicional, que ainda tem uma visão industrial.

– É preciso considerar que a internet não possui limites de espaço ou de tempo. O uso das tecnologias digitais conectadas pela internet como um recurso na sala de aula tradicional, apesar de seu valor, não deve ser a tônica da prática pedagógica dessas tecnologias; não se pode conceber o uso territorializado de tecnologias pervasivas.

Moodlerooms: canal de comunicação

A plataforma Moodlerooms tem sido uma parte fundamental do processo de expansão da instituição, que cresce em quantidade de alunos com a premissa de manter a qualidade do ensino que oferece.

– É o canal de comunicação entre instituição e aluno, além de ser onde todo o nosso conteúdo está publicado – aponta Costa.

Atualmente, os estudantes podem fazer 20% de sua carga acadêmica na plataforma virtual. Há, aproximadamente, 15 mil estudantes em cursos presenciais e que também estão inscritos em diversos programas a distância, e 400 estudantes inscritos em cursos de pós-graduação. Adicionalmente, existem cursos para os estudantes interessados em educação em curto prazo (de 10 a 40 horas), e nos últimos 12 meses foram oferecidos sete programas de extensão.

– Contamos com uma plataforma robusta, acessível e com suporte tecnológico. O Moodlerooms tem diferenciais importantes: oferece diferentes relatórios, mais usabilidade, design de interação mais sofisticado e limpo. O resultado é a maior adesão por parte dos professores e, principalmente, dos alunos.

A instituição tem planos otimistas: em cinco anos, planeja ter 20 mil alunos inscritos na educação a distância. Favorecem a expansão de sua atuação diferentes fatores, entre eles a capilaridade no Brasil, credibilidade e seriedade.

Recentemente, o Ministério da Educação liberou o credenciamento de cursos 100% EAD no Brasil – que não requerem a presença do aluno no campus e/ou polos. Ou seja, trata-se de uma evolução do semipresencial para a educação totalmente a distância, tudo resolvido no ambiente em que o estudante preferir.

– O UNASP já vem se preparando para esse momento há alguns anos. E, nesse caminho, contaremos certamente com o suporte do Moodlerooms – finaliza Costa.

Deixe uma resposta

O Grupo A é representante exclusivo do Blackboard no Brasil.