Encontro da Comunidade Blackboard: troca de experiências entre usuários e aperfeiçoamento do uso das ferramentas

Um encontro buscando o aprimoramento do uso das soluções de tecnologia da Blackboard no apoio ao processo de aprendizagem, exclusivo para os clientes, com vagas limitadas e inscrições gratuitas. A poucos dias do Encontro da Comunidade Blackboard Brasil, que acontece no próximo dia 11, em São Paulo, relembramos os depoimentos de quem estava presente no evento de 2015.

> Saiba mais sobre o Encontro da Comunidade Blackboard
> As vagas são limitadas, inscreva-se!

“A participação nos Encontros tem sido uma excelente oportunidade para refinar minhas percepções referentes à temática contemporânea e relevante.” Rogério Rocha, Faculdade Batista de Minas Gerais

“Entendo ser muito importante que players de qualquer mercado deixem claras suas estratégias de médio e de longo prazo quanto ao desenvolvimento de seus produtos. Isso ajuda a ter uma visão clara do que podemos já considerar em nosso planejamento futuro.” Valdinei Castelan, ESAMC

“O Encontro da Comunidade Blackboard Brasil foi uma grande oportunidade para adquirir e trocar experiências e fazer novos contatos.” Cristhian Freire de Oliveira, Kroton

“A troca de experiências foi fantástica, bem como estar inteirado sobre o rumo e a preocupação da Blackboard quanto as nossas necessidades.” Paulo Toshio Abe, UNILAVRAS

Faça parte do Encontro da Comunidade Blackboard 2016 e descubra como promover uma nova experiência de ensino com o apoio das soluções Blackboard.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Troca entre instituições promovida pelo Encontro da Comunidade Blackboard aprimora o uso das soluções da empresa


Um dos pontos principais do Encontro da Comunidade Blackboard Brasil é a dedicação, durante um dia inteiro, ao aperfeiçoamento de experiência e uso das soluções da Blackboard no apoio ao processo de ensino e aprendizagem, seja ele EAD, presencial ou híbrido. Além disso, a troca de experiências entre as instituições faz com que sejam discutidos desafios enfrentados cotidianamente nas Instituições, ainda que cada uma tenha diferentes perfis de alunos. É assim que Leo Salomone, um dos palestrantes do evento e responsável por elaborar e comunicar as novas tecnologias Blackboard para os clientes no Brasil, define a importância do Encontro.

> Inscreva-se no Encontro da Comunidade Blackboard, exclusivo para clientes 

– Criando uma comunidade de usuários de nossas soluções e compreendendo melhor suas visões sobre o futuro da tecnologia voltada ao ensino, conseguimos colaborar com as instituições para reimaginar a experiência de aprendizagem de seus alunos – sintetiza Salomone.

O movimento de troca entre instituições faz com que se aprimorem os processos internos. Por isso, quanto mais usuários participam, mais experiências e cenários diferentes são debatidos.

– Isso aumenta a variedade de pontos de vista no evento e possibilita que essa troca seja ainda mais rica e gratificante para todos. Essa participação também garante que a Blackboard conheça melhor os seus usuários e possa se preparar cada vez melhor para atender às suas necessidades – diz Gabriel Cavalcante, Coordenador de Suporte Blackboard Brasil, no Grupo A.

Reunindo professores, gestores, desenvolvedores, administradores de sistemas e líderes de instiuições clientes Blackboard de todo o Brasil, o Encontro da Comunidade Blackboard Brasil ocorre no dia 11 de maio, no Insper, em São Paulo, e é exclusivo para clientes da empresa. As vagas são limitadas e gratuitas. Inscreva-se!

FAÇA UM COMENTÁRIO

Analytics: uma ferramenta ou uma solução?

Post escrito por Mark Sharkey, Vice Presidente de Analytics, na Blackboard. Anteriormente, Mark era president da Blue Canary, solução de análise preditiva que foi recentemente adquirida pela Blackboard.

Instituições podem utilizar dados de diferentes maneiras; Uma delas pode ser comparada a um sistema de encanamento, onde os dados são conectados e fluem por toda a instituição, abastecendo inúmeros setores de maneira quase invisível para o usuário final mas que você sabe que está funcionando, a exemplo do encanamento, que você não enxerga, mas ao abrir a torneira e ver a água sair, sabe que ele está funcionando. Aproveitando essa analogia, temos também a visão do usuário final, que, separadamente, seria o ponto de vista apenas da torneira, ou seja, o usuário vê apenas o produto final: o dado, ou a água.  O encanamento pode ser considerado uma ferramenta, enquanto a torneira é uma solução: sem encanamento, a torneira não funciona, mas sem a torneira, o encanamento flui sem, de fato, fornecer água.

Nos últimos meses, eu passei de uma pequena empresa de software de modelos preditivos para a Blackboard, líder global em tecnologia para educação, onde venho contribuido a definir nossa oferta de produtos e soluções de dados e análise. Nessa transição, a analogia entre ser o encanamento ou ser a torneira tem surgido com frequência e eu considerei pertinente abordá-la neste post.

Desde que cheguei na Blackboard, venho dizendo: Analytics é uma ferramenta, não uma solução. É uma ferramenta maravilhosa, complexa e utilitária, mas é apenas uma ferramenta. Você pode ter um excelente encanamento, mas não conseguirá tomar banho se não houver um chuveiro, por exemplo. Mas, novamente, você não pode instalar um chuveiro ou uma torneira sem encanamento decente. As duas coisas (ferramentas e soluções) precisam andar de mãos dadas.

A parte mais importante da equação é a instituição de ensino e as suas necessidades. Eu conheci as escolas que só buscavam a ferramenta. Eles estão começando a definir nos casos de uso sobre o que pode ser feito quando o encanamento de dados estiver funcionando, e na verdade eles só precisam de um perito para estabelecer as bases de dados. Da mesma forma, conheci as escolas que não se importam tanto sobre o encanamento. Elas estão focadas no usuário final – o estudante. O conselheiro que irá utilizar os dados de alguma forma para ajudar os alunos. Neste caso, o encanamento é verdadeiramente um coadjuvante dos bastidores da utilidade.

Em fevereiro deste ano, Blackboard será anfitriã da Conferência Desempenho Institucional em Austin, no Texas. A conferência está focada no sucesso do aluno, retenção, novos modelos de aprendizagem e, claro, os dados. Os dados serão uma parte significativa da agenda com muitas sessões que tocam tanto a ferramenta / encanamento quanto a  solução / torneira.

Vamos apresentar a informação sobre o nosso grande produto de armazenamento de dados, o Analytics, assim como a nossa nova solução de análise de retenção. Mais importante ainda, faculdades e universidades vão apresentar e debater sobre a forma como eles estão usando dados para tratar de questões que podem ser abordadas quando uma base de dados sólida está implementada.

Fonte: Blackboard

FAÇA UM COMENTÁRIO

7 Dicas para ser um aluno online bem sucedido

Por Kristen Hicks

Certa vez alguns educadores já recusaram a ideia de educação online. Como aulas em um computador poderiam trazer o mesmo benefício para os alunos que as com um professor? Como a tecnologia tem melhorado e as mais conceituadas instituições de ensino têm adotado a aprendizagem online ao longo dos últimos anos, muitas das primeiras críticas têm se mostrado um desafio.

Mais de um terço de todos os estudantes do ensino superior tem pelo menos um de seus cursos online, e mais de 12% estão matriculados exclusivamente em cursos online. Ou seja, estudantes, professores e faculdades estão se acostumando à ideia de educação a distância.

Apesar disso, alguns alunos podem ter dificuldades em estudar em casa, mas apresentamos algumas dicas aqui:

  1. Seja exigente com o curso que escolher

Se você quer ser um aluno bem sucedido, a decisão mais importante a tomar é escolher uma boa escola. Os relatórios universitários online podem ajudar, mas complementá-los com suas pesquisas é bom para se certificar de que a escolha é a mais apropriada.

2. Ter a tecnologia certa

Um computador antigo ou que tenha uma conexão lenta com a internet, pode ter impacto na sua educação online. Desistências são comuns em cursos online quando qualquer dificuldade se torna uma barreira em seu caminho para a graduação – até mesmo algo que possa parecer pequeno como um computador desatualizado. Você também precisa verificar os requisitos técnicos específicos do programa online que você escolher para ter certeza de obter todo o software ou as ferramentas que eles recomendam. Isso fará a diferença e será um bom investimento.

3. Seja organizado em sua rotina

Pode parecer fácil, mas estudar em casa todos os dias é um desafio significativo, especialmente se você está tentando conciliar as aulas com a sua rotina. É preciso elaborar um sistema que garanta que você cumpra as tarefas: pode ser determinar prazos rigorosos ou criar horários de estudo. Também é interessante encontrar um colega ou parceiro que estimule o seu estudo.

4. Descubra quais hábitos de estudo funcionam para você

Assim como na última dica, isso exige bastante treinamento. Preste atenção a que tipos de trabalho e “sistemas de aprendizagem” funcionam para você: ouvir palestras, ler livros, anotar o conteúdo… Identificar o estilo de estudo que lhe dá os melhores resultados vai otimizar seu tempo. Também é importante descobrir onde você pode estudar sem distrações. Se estudar em casa significa lidar com crianças, familiares ou mais tarefas, que tal ir a uma biblioteca ou a um café? Se estudar no meio da tarde faz com que você se distraia com outras atividades, você pode estudar a noite. Trate isso como um trabalho e informe as pessoas a sua volta para que tratem da mesma forma.

 

5. Colabore com outros estudantes

Muitas faculdades oferecem ferramentas que incentivam a colaboração entre os alunos online, mas os alunos também podem criar grupos de estudo ou espaços online para se comunicarem entre si. Tenha em mente a importância da interação com outros estudantes: além da troca de conteúdo, podem ser ótimos contatos profissionais.

6. Esteja disposto a pedir ajuda

A maioria das faculdades se esforçam para dar o apoio necessário aos alunos. Se você está tendo dificuldades, fale com o professor. Se precisar de ajuda para além do que seu professor pode fornecer, veja as outras opções oferecidas. Ajudar os alunos a aprender é a meta nº 1 de cada faculdade e todas possuem uma estrutura para garantir que esse objetivo seja alcançado. Lembre-se: se você está tendo problemas, peça ajuda!

7. Faça pausas

Cuide para manter as metas e os prazos, mas não se sinta culpado por precisar fazer uma pausa – e nem ver isso como um “bônus”, isto é uma necessidade. Ter uma pausa de vez em quando vai te ajudar a ficar mais focado no resto do tempo. É interessante até mesmo colocar este tempo em sua rotina ou definir um alarme para se certificar de que você não vai esquecer de descansar.

O sucesso do aluno depende da existência de bons professores e cursos. Mas a maior parte depende dele mesmo. Se você descobrir um sistema de estudo que funciona e cumpri-lo, você terá sucesso como um estudante online. É importante perceber que, se estudar em casa é muito difícil para você, você pode ser alguém que se encaixe melhor em aulas presenciais. Esteja disposto a mudar se isso for melhor para você!

FAÇA UM COMENTÁRIO

Estudo mostra impacto da tecnologia nas universidades

tecnologia na sala de aula

Para entender melhor as mudanças que a tecnologia está trazendo para a Educação, o Education Dive – portal especializado em notícias sobre o ensino superior, nos Estados Unidos – realizou a pesquisa Mobility in Higher Education. Foram entrevistados 50 CIOs (chefes dos departamentos de TI, em tradução livre) de universidades norte-americanas para entender como a mobilidade está impactando seus campi.

Segundo a pesquisa, 68% dos CIOs são favoráveis ao uso das mídias móveis em suas universidades, oo contrário dos 28% que discordaram da eficácia desses aparelhos. Já 4% dos entrevistados afirmam que os dispositivos móveis não são considerados tão fundamentais, embora sinalizem sua importância mais significativa a longo prazo.

O estudo abarcou três grandes discussões sobre o mobile no ensino superior: os dispositivos e apps mais usados pelos CIOs no trabalho e em casa; o que mais preocupa os CIOs quanto à mobilidade no campus e quais as prioridades para o próximo ano; e o que a universidade planeja para a implementação BYOD (Bring Your Own Device), movimento permite que os alunos e funcionários levem para o ambiente de trabalho seus próprios aparelhos portáteis.

Apps e smartphones

De acordo com o estudo, o aplicativo mais comum entre os entrevistados foi o Evernote, seguido do DropBox e do OneNote. O Evernote é utilizado para gerenciar e organizar arquivos. A partir do próprio celular, o usuário pode criar notas, salvar pesquisas, gravar áudios e organizar seus materiais. Além disso, ao adicionar qualquer recurso a sua conta, a agenda é automaticamente sincronizada e disponibilizada em todos os computadores, telefones e tablets que o usuário usar.

Dificuldades e prioridades para 2014

A partir das respostas, o estudo reuniu em uma lista com as 10 principais “preocupações”, como a segurança (60%) e a escalabilidade (20%). As demais são: infraestrutura e manutenção, sistemas inteligentes, cobertura de rede sem fio, aprendizagem on-line, reparar crises, análise de dados, migração para o cloud computing e mobilidade.

Movimento BYOD

O BYOD é um movimento que levanta a bandeira de que os alunos podem levar seus próprios dispositivos móveis para escola, o que reduziria custos. Por outro lado, isso acaba gerando impactos na infraestrutura dos campi, que precisam de um suporte maior para atender a essa demanda. De acordo com a pesquisa, apenas 26% das universidades adotam as políticas do BYOD, enquanto 74% não adotam, mas vêem possibilidades de adotá-la.

De acordo com a pesquisa Our Mobile Planet conduzida pelo Ipsos Media CT em parceria com a Google, mostra os hábitos, uso e consumo dos smartphones em mais de 40 países em todo o mundo. O estudo mostrou que o Brasil tem mais aparelhos móveis do que países como França e Alemanha, com 24% e 25%, respectivamente.

Adaptado via Planeta Educação

FAÇA UM COMENTÁRIO

Veja mais posts

O Grupo A é representante exclusivo do Blackboard no Brasil.