Facebook para Educadores: Acolha os estilos de aprendizado digital, social e móvel dos estudantes

O último post da série Facebook para Educadores, mostra que a ferramenta pode ajudar os educadores a acolher os estilos de aprendizado digital, social e móvel dos estudantes de atuais e que a tecnologia móvel transformou esse cenário.

De acordo com um estudo da Pew Internet, 75% dos adolescentes norte-americanos possuem um telefone celular. Essa mudança no modo como os adolescentes se conectam à Internet proporciona uma oportunidade aos professores: fornecer um acesso instantâneo (mesmo para aqueles estudantes cujo único acesso à Internet se dá via aparelho móvel) ao ensino através de páginas, grupos e bate-papos no Facebook moderados por professor, e manter os estudantes em “modo de aprendizado” fora da sala de aula.

Ensinando os nativos digitais 

Criados em um mundo “sempre ligado” de mídias interativas, da Internet e das tecnologias de mídias sociais, os estudantes de hoje têm expectativas e estilos diferentes que o das gerações anteriores. O uso onipresente de tecnologias sociais e móveis confere aos adolescentes uma oportunidade sem precedentes de usarem ferramentas como o Facebook para criar comunidades didáticas auto-organizadas ou Redes Didáticas Pessoais. Quando o currículo permite um aprendizado online autodirecionado, os estudantes podem aprender mais do que aquilo que é ensinado em aula, já que são capazes de criar significado por si mesmos além da intenção do professor.

Ao compreender e incorporar essas oportunidades de aprendizado digital em seu trabalho de aula, você irá elevar a motivação estudantil e estimular o aprendizado, atendendo ainda melhor, ao mesmo tempo, as necessidades dos estudantes atuais e seus estilos de aprendizado digital.

Atributos da experiência de aprendizado digital 

  • ¥ Interativo: Estudantes que criam o seu próprio conteúdo e que interagem via mídias sociais podem expressar sua identidade e sua criatividade.
  • ¥ Centrado no estudante: Desloca a responsabilidade do aprendizado para os estudantes, exigindo que eles cumpram um papel mais ativo em seu próprio processo de aprendizado, e enfatiza os professores como provedores de auxílio conforme o necessário para a superação de dificuldades.
  • ¥ Autêntico: Os professores devem encontrar maneiras de reconciliar o uso das mídias sociais por parte da sala de aula com o modo autêntico como os estudantes estão usando-as fora da sala de aula. O uso das mídias sociais e da tecnologia deve estar vinculado a uma meta ou atividade didática específica.
  • ¥ Colaborativo: O aprendizado é uma atividade social e muitos estudantes aprendem melhor trabalhando com um grupo de colegas. Essa colaboração e feedback entre colegas pode ocorrer tanto em um ambiente virtual quanto frente a frente.
  • ¥ On-Demand: O conteúdo do curso deve ser disponibilizado “on-demand”, para que o aluno possa visualizar os materiais de curso quando, onde e como preferir, seja em um computador de mesa, em um telefone celular ou em algum outro aparelho portátil.

Quando cuidadosamente integradas, essas comunidades baseadas no Facebook são capazes de dar suporte a um novo nível de intercâmbio e interação sociais que irão, por sua vez, promover e estimular a motivação estudantil.

Tecnologias sociais como o Facebook podem ajudar os estudantes a compararem seus níveis de compreensão sobre as matérias correntes com os níveis de seus colegas. Ademais, à medida que os estudantes compartilham seus processos mentais com seus colegas online, eles são capazes de ajudar uns aos outros a superarem dificuldades, ajudando, ao mesmo tempo, a criar um sistema de suporte colaborativo entre pares.

Facebook móvel como uma ferramenta de aprendizado 

O uso do Facebook como um ambiente móvel de aprendizado deve ser projetado de forma a abranger os melhores aspectos da sala de aula tradicional em conjunto com os benefícios da tecnologia móvel e em tempo real.

O Facebook automaticamente converte o conteúdo baseado na Web que você compartilha em suas Páginas e Grupos no Facebook para um formato móvel. Isso significa que sem nenhum trabalho adicional da sua parte, os estudantes podem acessar o seu conteúdo a qualquer hora, em qualquer lugar através de tablets e telefones celulares.

Além disso, uma plataforma de aprendizado móvel proporciona oportunidades on-demand de participação e reflexão adicionais aos membros da sala de aula. Essa abordagem também oferece aos estudantes a liberdade de usarem a tecnologia da maneira mais adequada a seus estilos individuais de aprendizado.

Ao se cogitar o uso do Facebook para oportunidades de aprendizado móvel (mLearning), é vital também que os educadores obtenham uma melhor compreensão sobre como as minorias e a juventude urbana se conecta e interage na Web, para que possam, assim, criar experiências digitais mais inclusivas.

Em sua palestra na conferência Digital Media Learning 2010, na University of Texas, Austin, o professor S. Craig Watkins apresentou diversos padrões emergentes entre jovens afroamericanos e latinos em seu uso de telefones celulares. Sua principal descoberta foi que para muitos jovens urbanos e pertencentes a minorias, um aparelho móvel representa seu ponto de acesso primordial à Internet.

Em muitas nações em desenvolvimento, os usuários exclusivamente móveis tendem a ter menos de 25 anos de idade. Isso é algo importante para se levar em consideração ao se pedir que os estudantes acessem experiências didáticas baseadas na Web.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Facebook para educadores: Utilize os recursos para se comunicar com estudantes e pais

Reconhecemos que como um educador, você esteja preocupado métodos apropriados de comunicação entre você e seus alunos. O terceiro post da série “Facebook para educadores” vai falar sobre os recursos  das páginas e dos grupos do Facebook para se comunicar com os etudantes e pais.

Para quem conhece há pouco tempo o Facebook, isso pode parecer um pouco confuso. Aqui queremos facilitar a sua compreensão. Tudo ficará mais claro se você entender esses quatro recursos do Facebook:

“Home” – Aqui se encontra o seu próprio Feed de Notícias, que inclui atualizações provenientes de seus amigos.
“Perfil” – Mostra a foto, os interesses e outras informações sobre o dono da conta.
“Grupos” – Trata-se de uma boa ferramenta para projetos. Os grupos podem ser fechados, abertos ou privados.
“Páginas” – As páginas são espaços públicos para empresas e celebridades, entre outras coisas.

Explicaremos estes itens em ordem. O propósito não é analisar todo o Facebook, e sim mostrar como você pode usar grupos e páginas para se conectar com estudantes sem precisar “ser amigo” deles no Facebook.

Home no Facebook 

Quando você se loga no Facebook, a primeira coisa que você vê é a sua “homepage.” É nela que se encontra o seu feed de notícias, que é atualizado na maior parte pelos seus amigos.

A sua homepage no Facebook pertence exclusivamente a você. Cada pessoa vê um feed de notícias diferente em sua homepage. O feed de notícias é um fluxo permanente de atualizações, fotos, links e check-ins de seus amigos. Ele também mostra atualizações de páginas que você “curte” ou de grupos aos quais você pertence. Se você curte, por exemplo, a página da Blackboard Brasil (falaremos sobre páginas mais adiante), então atualizações provenientes da Blackboard Brasil entrarão no seu feed de notícias em sua homepage.

As pessoas que estão no Facebook passam boa parte do seu tempo navegando pela sua homepage, pois é nela que ficam reunidas todas as novas informações sobre seus amigos.

Perfil no Facebook 

O seu perfil é diferente da sua homepage. Quando você cria pela primeira vez uma conta no Facebook, você será instado a criar um perfil para si, com informações como a sua cidade natal, o seu nível educacional e o seu histórico profissional, de quais esportes você gosta e as suas músicas favoritas, bem como seus filmes e seriados preferidos. (Observe que o fornecimento dessas informações é opcional e que a disponibilidade delas para outras pessoas no Facebook depende das suas configurações de privacidade.)

O perfil é o que as outras pessoas veem no Facebook quando estão buscando por você. Quando você posta alguma coisa no Facebook, isso é adicionado ao seu perfil, de tal modo que as pessoas possam saber o que você está pensando, o que você está fazendo e como você está interagindo com outros amigos no Facebook.

Quando você se torna amigo de pessoas no Facebook, elas tipicamente obtêm acesso ao seu Perfil. E você, da mesma forma, também pode ver os Perfis delas.

A maioria dos educadores não deseja que os estudantes naveguem por seus perfis. Por quê? É que o seu perfil pode ter muitas informações pessoais a seu respeito, incluindo fotos postadas por outras pessoas. Pelas mesmas razões, a maioria dos educadores não procura navegar pelos Perfis de seus alunos. Trata-se de uma boa maneira de respeitar a privacidade dos estudantes – e de fazer com que os estudantes respeitem a sua privacidade.

Você não precisa “ficar amigo” de estudantes (ou dizer “sim” para solicitações de amizade da parte deles) para interagir no Facebook. Na verdade, encorajamos os professores para que estabeleçam grupos e páginas no Facebook para essas interações, o que explicaremos a seguir.

Grupos no Facebook

Os grupos no Facebook representam um espaço online onde as pessoas podem interagir e compartilhar coisas com os outros. Trata-se de uma ótima maneira para que os estudantes trabalhem em projetos cooperativos uns com os outros e com você. E repetindo, você não precisa ser amigo de alguém no Facebook para poder interagir com ele em um grupo.

Num âmbito educacional, sugerimos que você crie grupos que sejam “fechados”, e não “abertos”. Isso significa que, embora a lista de membros do grupo seja aberta, o conteúdo do grupo é privado, disponível apenas para seus membros. Isso ajuda a proteger a privacidade de seus alunos.

Quando o membro de um grupo posta alguma coisa no grupo, como um artigo, os outros membros receberão uma mensagem no Facebook ou uma mensagem de texto proveniente do Facebook com essa atualização. Por exemplo, você, enquanto professor, poderia postar uma questão de estudo para um grupo de projeto de aula. Todos os estudantes que fossem membros seriam notificados.

Encare isso como uma oportunidade para que você amplie o aprendizado para além das paredes da sala de aula tradicional. Quando você usa um grupo no Facebook para complementar aquilo que ensina na sala de aula, está proporcionando aos estudantes oportunidades de um aprendizado on-demand.

Lembre-se: A maiorias dos seus alunos já estão usando o Facebook em seus telefones celulares enquanto estão em casa ou andando de ônibus. Isso abre novas portas para o ensino e o aprendizado.

 

Páginas no Facebook

Em um ambiente educacional, acreditamos que a interação entre estudantes e professores deve ser aberta, transparente e segura. As páginas no Facebook são apropriadas para isso.

As páginas permitem que você interaja com um conjunto específico de outros membros do Facebook. Para um professor, isso pode incluir estudantes e seus pais. Uma página no Facebook é algo aberto ao público; qualquer um pode curtir a página e obter atualizações em seu feed de notícias a partir do administrador da página (neste caso, de você, o professor).

As páginas criam uma maneira fácil para que professores e alunos compartilhem links relevantes, como matérias de jornal, vídeos online ou feeds RSS provenientes do blog da sala de aula ou do website da sua escola. Páginas do Facebook também contam com recursos interativos, incluindo observações (que são como entradas em um blog) e comentários. Esses recursos de página permitem que você amplie o ensino além da sala de aula. Você pode, por exemplo, continuar uma discussão que teve início em aula.

De um lado, você pode criar uma página para a sua aula. De outro, você pode fazer com que os alunos curtam uma página que outros criaram. Quando você curte uma página, você passa a assiná-la para receber seus novos conteúdos.

Como você pode ver, as páginas podem abrir novas oportunidades para o ensino e o aprendizado. Assim como os grupos, o conteúdo das páginas pode alcançar os estudantes quando eles se encontram fora da sala de aula. A maioria dos jovens já está acessando o Facebook com seus telefones celulares quando estão longe da escola. Agora, a oportunidade didática pode alcançá-los onde eles moram e se divertem online.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Facebook para educadores: Encoraje os estudantes a obedecerem às diretrizes

Dando continuidade a nossa série “Facebook para educadores”, hoje vamos falar da importância de encorajar os estudantes a obedecerem as diretrizes do Facebook.

Como o Facebook protege os menores

Em primeiro lugar, para estar apto a se inscrever no Facebook, as pessoas precisam ter 13 anos de idade ou mais. Como o Facebook é uma companhia baseada nos Estados Unidos, ela obedece às leis de privacidade norte-americanas, incluindo a legislação Children’s Online Privacy Protection Act (COPPA).

Essa lei exige que os websites obtenham permissão dos pais antes de coletarem informações pessoais a respeito de crianças com menos de 13 anos de idade. Para deixar claro, o Facebook não coleta informações de crianças; na verdade, ele as proíbe de usarem o serviço. Se você têm alunos com menos do que 13 anos de idade, eles não poderão criar uma conta nem acessar grupos ou páginas no Facebook.

O Facebook, enquanto companhia, sempre acreditou que nomes falsos e identidades ocultas são péssimas ideias em redes sociais. Nós concordamos. A política do Facebook declara que as pessoas que nele se inscrevem precisam usar nomes reais. Achamos que isso é bom. A cultura de “identidade real” do Facebook deixa o site mais apropriado a se tornar uma comunidade confiável de amigos, família, colegas de trabalho e colegas de aula.

Padrões comunitários do Facebook 

O Facebook definiu padrões para conteúdo em um recurso online chamado “Facebook’s Community Standards” (facebook.com/communitystandards).  Você deve revisá-los e compartilhá-los com seus alunos como parte de uma discussão mais ampla a respeito de comportamento apropriado online.

O número sempre crescente de pessoas que usam o Facebook compõe, de certa forma, parte da maior comunidade de “vizinhos vigilantes” do mundo. Botões para “denunciar abusos” estão localizados em praticamente todas as páginas do Facebook. Caso os usuários denunciem conteúdo ofensivo ou abusivo, tal como fotos, alguém dentro da equipe de segurança do Facebook irá investigar e removê-las do site, caso necessário. Para informações sobre como denunciar violações, veja o Facebook Statement of Rights and Responsibilities.

Encorajamos você e seus alunos a denunciarem conteúdo ofensivo para ajudar a manter o Facebook um lugar seguro e positivo para todo mundo. Para saber mais sobre as regras do Facebook e como resolver problemas, por favor, visite o Facebook Safety Center.

 

 “Acredito que o estabelecimento de diretrizes para o uso do Facebook seria algo bastante útil. Segundo minha experiência, as crianças ainda não estão preparadas quando se trata de proteger detalhes e informações pessoais. Algum tipo de diretriz sobre as configurações ideais seria ótimo.”

Matt, professor de esportes, Londres, Reino Unido

FAÇA UM COMENTÁRIO

Facebook para Educadores: 1. Desenvolva e acompanhe a política de sua escola

Aprofundando o assunto da série “Facebook para Educadores” que lançamos na semana passada, hoje, explicamos o primeiro passo para ajudar os professores e as escolas a colocarem em prática a ideia.

Criando uma política para mídias sociais

Acreditamos que é importante que se tome parte do desenvolvimento da política da sua escola com relação ao Facebook. Por isso, é necessário determinar como o Facebook e as mídias sociais podem ajudar a alcançar as metas da sua escola, ao invés de dar as costas ou perder de vistas essas metas.

A política  deve ser sempre atualizada . Uma política escrita há alguns anos pode ficar para trás. O cenário das mídias sociais está em rápida transformação, e a política da sua escola precisa acompanhar essa mudança.

Caso a sua escola ainda não tenha uma política com relação ao Facebook, um passo importaante é que seja criada uma. É um favor que estará fazendo à sua escola, ao futuro dela e dos estudantes.

Não existe uma política-padrão sobre o Facebook, mas recomendamos alguns elementos que você deve levar em consideração ao desenvolver (ou atualizar) a política da sua própria escola. Para mais informações, incluindo exemplos de políticas sobre o Facebook empregadas em diversas escolas, veja www.FacebookForEducators.org/policies.

 

“Diretrizes desenvolvidas cuidadosamente para o uso de mídias sociais por pais, estudantes e professores podem ajudar a estabelecer e promover um ambiente dinâmico de aprendizado social que estimule o uso responsável.”

Jennifer Ralston, professor, Dallas, TX


FAÇA UM COMENTÁRIO

Facebook para educadores

Tradicionalmente, os educadores ajudam os jovens a se comportarem de modo apropriado frente os outros. Atualmente, porém, com a explosão das mídias sociais, eles podem tomar parte de um diálogo mais amplo com a juventude a respeito da cidadania digital e do comportamento online. Na condição de educador, você pode instruí-los quanto ao uso seguro, ético e responsável da Internet.

Atualmente o Facebook cumpre um importante papel nas vidas de milhões de estudantes. E você pode se perguntar: “Isso é bom ou ruim para os educadores?”.

Inúmeras matérias questionam o uso inadequado das tecnologias digitais, incluindo os sites de redes sociais. Compreensivelmente, as pessoas estão receosas com o modo que as mídias sociais estão afetando os seus estudantes, ou a maneira como as novas tecnologias estão transformando a sua sala de aula. E todos podem se perguntar se não haverá uma forma de canalizar o entusiasmo dos estudantes por sites como o Facebook para o cumprimento de metas educacionais.

Logo, boas notícias surgem: o Facebook pode reforçar o ensino dentro da sala de aula e além dela. O modo como isso pode ser alcançado talvez não seja óbvio, e é por isso que criamos uma série que vai lhe mostrar as vantagens que essa mídia pode trazer. Nos posts da série “Facebook para Educadores”, vamos mostrar quatro maneiras de usar o Facebook com eficácia para o ensino e o aprendizado.

Acreditamos que as informações nesta série podem ajudá-lo a transformar os desafios das mídias sociais em oportunidades capazes de beneficiar você e os seus estudantes.

Introduzindo o assunto:

A proliferação de tecnologias digitais, sociais e móveis acabou criando uma cultura em que os jovens participam mais na criação e compartilhamento de conteúdo, transformando profundamente a maneira como os estudantes se comunicam, interagem e aprendem. Em muitos casos, os estudantes passam tanto (ou mais) tempo em um ambiente de aprendizado informal – interagindo com colegas e recebendo feedback – do que com seus professores na sala de aula tradicional.

Educadores em todo o mundo estão percebendo os benefícios positivos das redes sociais no aprendizado estudantil e estão trabalhando para encontrar formas de integrá-las em seu currículo obrigatório.

Facebook na sala de aula

Muitos educadores estão procurando maneiras de compreender melhor os estilos emergentes de aprendizado social de seus estudantes. Eles também têm se mostrado interessados em aprender a integrar o Facebook em seus planos de ensino para enriquecerem as experiências dos estudantes, aumentarem a relevância do conteúdo e encorajarem os estudantes a colaborarem efetivamente com seus colegas.

O Facebook pode proporcionar aos estudantes a oportunidade de apresentarem suas ideias de um modo eficiente, de liderarem discussões online e de colaborarem entre si. Além disso, o Facebook pode ajudar você, na condição de educador, a tirar proveito dos estilos de aprendizado digital de seus estudantes.

Também acreditamos que o Facebook pode ser uma ferramenta poderosa para ajudá-lo a se conectar com os seus colegas, a compartilhar conteúdo didático e a melhorar a comunicação entre professores, pais e estudantes.

Obtenha os fatos: jovens, segurança & redes sociais

Alguns educadores que desejam utilizar o Facebook e outros aspectos das mídias sociais enfrentam certa resistência por parte dos pais e dos administradores escolares. O receio é que os estudantes venham a encontrar conteúdo inapropriado e predadores sexuais online. Você pode ajudar colegas a tomarem boas decisões quanto ao acesso estudantil às redes sociais compartilhando pesquisas a respeito dos riscos envolvidos.

O que sabemos é que raramente existe uma solução-padrão para todos os casos. Encorajar os pais e colegas a assumirem uma abordagem equilibrada e embasada em fatos com relação às mídias sociais dentro da sala de aula foi nosso primeiro passo.

Nos próximos posts da série “Facebook para educadores”, vamos apresentar as quatro maneiras para serem aplicadas pelos educadores!

 

FAÇA UM COMENTÁRIO

Veja mais posts

1

O Grupo A é representante exclusivo do Blackboard no Brasil.