O que os estudantes estão nos dizendo sobre a tecnologia e por que isso é importante

*Este é um post escrito por Bob Solis. Bob é membro do conselho consultivo da Blackboard.

Os estudantes querem trabalhar – e vamos ser claros quanto a isso. Cem por cento dos alunos que entrevistei informalmente afirmaram que frequentam a faculdade para se posicionar bem no futuro. Minha conclusão pessoal coincide com uma pesquisa feita pela New America:

“Cerca de 90% dos estudantes dizem que foram para a faculdade para conseguir um bom emprego, ganhar mais dinheiro ou obter melhores oportunidades econômicas…”

De forma alguma isso marginaliza a missão da educação, mas temos que tomar isto como uma afirmação acerca do que está interessando aos jovens alunos atualmente: o alto preço da educação e a crescente competição nas áreas de emprego.

Por que é importante saber o que os alunos estão nos dizendo sobre a tecnologia?

Efetivamente, todo o feedback que recebi a respeito da tecnologia sugeria que os alunos querem ter habilidades tecnológicas que possam necessitar no futuro ou alguma tecnologia que irá ser mais eficaz em sua experiência na faculdade.

Recentemente, organizei um painel em uma conferência. Esse painel foi originalmente composto por quatro alunos de graduação. O assunto era, de fato, novos pensamentos sobre a tecnologia – e os quatro tinham opiniões e experiências muito similares: todos eles usam e contam com a tecnologia 24×7 e, como resultado disso, destacaram facilidade de uso, design que não requer adaptação prévia, acesso a qualquer hora e em qualquer lugar e conectividade e integração entre dispositivos.

Seguem aqui algumas constatações dessa conferência: :

*Os estudantes têm usado com mais frequência o ambiente virtual de aprendizagem, tanto em cursos a distância quanto presenciais, contudo estão interessados em utilizar um único AVA/LMS.

*Eles esperam fazer um único login para poder navegar em diferentes aplicativos ou ferramentas.

*Aderência a a recursos de vídeo para fins acadêmicos, de comunicação e capacitação; entretanto, é necessário que os vídeos tenham 2 minutos ou menos de duração – caso contrário, o estudante perde o interesse;

*O e-mail está de volta: os estudantes estão lendo os e-mais com o objetivo de obter informações em casos que o e-mail é o principal canal de comunicação.

*Eles esperam acesso wi-fi em todos os lugares do campus;

Enquanto estes eram os principais e já esperados tópicos, ouvi também dicas sobre aplicativos e ferramentas que podem auxiliar os alunos durante sua jornada na faculdade.

Um artigo recente de Susan Grajek em um jornal de 2015, intitulado “O que precisamos saber sobre tecnologia em 2015”, resumiu cinco coisas que os alunos ”desejavam que seus instrutores utilizassem mais”:

  • Palestras gravadas;
  • Sistemas de alerta
  • Conteúdo livremente disponíveis;
  • Aprender mais sobre sistemas de gestão;
  • Utilizar laptops e tablets durante a aula.

Estas são tecnologias já enraizadas no ambiente da faculdade e do trabalho. No entanto, como todos sabemos, a tecnologia de hoje não é isolada, mas tem convergido bastante com nossas vidas pessoais.

Em agosto passado embarquei em uma viagem para ajudar meu filho a se mudar de Houston para Seattle. Fomos em um carro levando seus pertences, atravessando o oeste dos Estados Unidos, vendo alguns dos mais impressionantes parques nacionais ao longo do caminho. Muito low tech, não? Não é bem assim… Estávamos ligados durante toda a viagem:

*Kayak.com em busca do melhor vôo para encontrá-lo futuramente em Houston;
*Waze e Google Maps para saber o trajeto durante a viagem;
*Trip Advisor e hotels.com para conseguirmos hotéis ao longo do caminho;
*O app do canal do tempo para rastrear a previsão;
*Yelp, Diners e demais para encontrar lugares para comer;
*O app Pandora em seu telefone para transmitir música no carro;
*Instagram, Facebook e, claro, a câmera do telefone para narrar a viagem;
*O app “Find My Friends” para que sua mãe e avó acompanhassem nosso caminho;
*Craigslist, hotpads.com e apartments.com para encontrar um lugar para ele morar;
*E, naturalmente, muitas mensagens de textos para amigos e familiares ao longo do caminho;

Nada parecido com a viagem que fiz com os meus pais na década de 1970! E o meu filho, calouro na faculdade, utilizou tudo isso com grande precisão. Este é o mundo das gerações atuais e futuras.

Como líderes de organizações, todos devemos abraçar a tecnologia – e não apenas os que trabalham com TI. E abraçar é só o início. Devemos nos mover mais rápido e com mais inovação em nossas organizações. Nós muitas vezes debatemos soluções em tecnologia demasiadamente, em vez de agir rapidamente e aproveitar a oportunidade. Ainda recentemente, no início deste ano, tive uma conversa com um dos líderes em tecnologia que lançou um novo aplicativo, a fim de reduzir o volume de chamadas de help desk. Bom projeto, objetivos certos. O que me impressionou foi o espanto desse líder ao ver como os estudantes se adaptaram rapidamente ao app. Em que nível estamos pensando que os estudantes estão?

Isto pode ser reflexo de uma lacuna geracional ou simplesmente mostra que nossas organizações às vezes ficam presas em normas culturais, práticas de negócios e tomada de decisões… é preciso responder com maior habilidade e agilidade ao atendimento da tecnologia. É fundamental respondermos e preparar os alunos para o seu futuro… o nosso futuro!

FAÇA UM COMENTÁRIO

A influência das novas tecnologias em sala de aula

novas tecnologias

Enquanto para os alunos a adaptação às novas tecnologias no ambiente escolar é fácil, muitos professores enfrentam certas dificuldades com a inovação. O perfil do estudante está mudando e cada vez é mais importante incluir novas ferramentas para aprimorar o processo de ensino. Inúmeras novidades, como o uso de celulares em sala de aula, podem ajudar na aprendizagem e no preparo dos jovens para o mercado de trabalho.

Indiscutivelmente, é um benefício para o estudante ter aulas com um professor que saiba explorar os recursos tecnológicos, seja nas aulas presenciais ou nos cursos de educação a distância. Ainda assim, seja por falta de tempo ou de motivação, nem todos os docentes estão preparados para integrar o processo veloz de inovação no ambiente escolar, na contramão de toda a evolução de metodologia pelas quais as instituições de ensino estão passando. Algumas escolas e universidades já incluem gamificação, conteúdos em vídeo e diferentes outros métodos ativos em que o aluno se torna protagonista na sala de aula.

Hoje, sabe-se que a tecnologia é uma aliada da educação, influenciando diretamente o sucesso dos alunos. As ferramentas permitem, por exemplo, a personalização do processo de aprendizagem, com aplicativos e softwares que, utilizando inteligência artificial, são capazes de assimilar o nível de conhecimento e como o estudante aprende.

Outro indicador da influência das novas tecnologias em sala de aula é a disponibilidade de recursos ricos e interativos, que facilitam o ensino e apoiam o professor na definição da estratégia pedagógica mais eficaz. Além, é claro, de estarem disponíveis em qualquer plataforma, a todo momento e em qualquer lugar, democratizando a educação. Tudo isso torna o uso de novas soluções fator determinante para dialogar com o estudante de hoje e prepará-lo para o futuro.

A tecnologia não substitui o professor, ao contrário: permite que ele utilize seus conhecimentos e os ensine de forma inovadora. A seguir, veja que ferramentas já estão sendo utilizadas a favor da educação.

a influência das novas tecnologias
Objetos digitais de aprendizagem

Jogos, animações, vídeos e simuladores naturalmente atraem a atenção de crianças, jovens e adultos. Por isso, nada mais natural do que utilizar esses recursos para apoiar a prática pedagógica dentro e fora de sala de aula. Com as ferramentas, é possível que professores facilitem a absorção de conhecimento, trabalhando diferentes competências e conteúdos – de matemática básica a anatomia –, além de criar a possibilidade de planejar atividades educativas mais criativas e motivadoras.

Outra grande vantagem dos objetos digitais é que permitem que estudantes os utilizem por conta própria ou com a ajuda de familiares, funcionando como um reforço do conteúdo de sala de aula. Os professores também podem inserir elementos de gamificação – com toda a lógica de um jogo, inclusive as recompensas e mudanças de nível – para estimular a busca por conhecimento.

Ferramentas de comunicação

As redes sociais (dentro do Ambiente Virtual de Aprendizagem ou não) são poderosas ferramentas de comunicação. Elas podem ser utilizadas para o desenvolvimento de atividades de diferentes conteúdos curriculares, de diferentes formas:

  • criação de comunidades para discussões e compartilhamento de informações complementares às vistas em sala de aula, inclusive em diferentes formatos multimídia;
  • invenção de palavras-chave, como uma hashtag no Twitter, que estimule os alunos a compartilharem diariamente conhecimentos adquiridos na aula;
  • ensinando os estudantes a localizar e reconhecer vídeos com conteúdos relevantes em suas buscas pela web, entre outros.

A troca de informações e conteúdos entre professores de diferentes instituições também pode ocorrer nas redes sociais, sendo uma boa forma de se envolver na comunidade acadêmica. Veja outras habilidades que os professores de hoje precisam ter.

novas tecnologias
Ferramentas de produção

Apresentar o conteúdo das aulas na forma de texto não é mais tão atrativo, mas nem sempre se encontra o vídeo certo para determinado conteúdo. Por isso, ferramentas que permitem produzir apresentações animadas, infográficos ou editar áudios são fundamentais para que o professor consiga encontrar a forma certa de tornar seu material didático atraente.

Existem diferentes sites e aplicativos disponíveis gratuitamente na internet que permitem essas e outras soluções, como gestão e produção de planilhas, organização de materiais de aula, planejamento e agenda. Além disso, diferentes bases de dados também facilitam o armazenamento das informações em nuvem, deixando-as disponíveis em qualquer lugar e facilitando o compartilhamento com os alunos.

Em alguns cursos de graduação e especialização, blogs de conteúdo, vídeo e fotos são boas formas de estimular os alunos a publicarem portfólios online. O uso dessas ferramentas permite que se tornem ainda mais inovadores – e colaboram para que o professor acompanhe a produção em tempo real.

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA)

O Ambiente Virtual de Aprendizagem é uma solução tecnológica que facilita a troca de informações e o acompanhamento da evolução de cada aluno. No curso de educação a distância, é onde todo o processo de ensino acontece, substituindo a sala de aula física. Nele, é possível publicar conteúdos, notas e tarefas, além de incentivar a interação entre estudantes, promovendo toda a gestão do aprendizado.  

Além disso, os softwares AVA mais avançados permitem personalizar o ensino com plataformas adaptativas, que avaliam dados e de que forma cada estudante aprende, propondo atividades diferentes para cada aluno. Conheça 3 formas de personalizar o e-learning para os estudantes.

A tecnologia está presente não só na rotina de professores, alunos e pais, como também faz parte do processo educativo de diversas instituições. Conheça o case da Universidade de Groningen, em que o uso de soluções inovadoras impactou positivamente diferentes resultados.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Pesquisa aponta que EAD deve superar o ensino presencial no Brasil

EAD deve superar ensino presencial

Pesquisa da SAGAH em parceria com a Educa Insights, realizada no primeiro semestre de 2016, foi destaque na mídia especializada nesta semana. Os dados apresentados indicam que a educação a distância tende a superar o ensino presencial no Brasil a partir de 2023. No veículo Porvir, o gerente nacional da Blackboard, Pavlos Dias, e o diretor executivo da SAGAH, Luiz Filipe Trivelato, contextualizaram os dados e apontaram os principais desafios do setor. Leia a matéria completa.

Para Pavlos Dias, as as faculdades ainda preparam os professores para a educação presencial. “É natural que ainda encontrem dificuldades como tutores e até na elaboração de conteúdos para cursos a distância”, explica.

Já Trivelato aponta a necessidade de reavaliação dos objetivos por parte das instituições de ensino. Segundo ele, hoje a competição, via de regra, é por quem vende mais barato. Mas a mudança de percepção deve acontecer, e a competição ser por quem tem os melhores cursos EAD.

A matéria também foi publicada no Universia Brasil.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Blackboard anuncia Moodlerooms 3.0

Moodlerooms Blackboard

A Blackboard anuncia a disponibilidade do Moodlerooms 3.0, versão mais atualizada de seu ambiente virtual de aprendizagem baseado em Moodle. As novas funcionalidades e melhorias foram apresentadas durante as sessões Open Learning do BbWorld 2016, conferência educacional realizada pela Blackboard, em Las Vegas. Recentemente, já havia sido divulgada a obtenção do IMS Global Conformance Certification para o Moodlerooms, com o objetivo de fornecer fluxo de dados de atividades de acordo com o padrão IMS Caliper Analytics v.1.0.

A nova versão do Moodlerooms inclui todas as atualizações disponíveis no Moodle 3.0, como recursos para edição de curso de forma simplificada, novos tipos de exercícios dinâmicos e interativos e melhor acessibilidade. A solução também inclui o Mahara 15.10 ePortfólio para melhor interação entre os usuários.

“O Moodlerooms 3.0 está beneficiando o ensino online e a experiência de aprendizagem de milhões de usuários ao redor do mundo”, afirmou Phill Miller, vice-presidente de Solução para Ensino e Aprendizagem da Blackboard. “Essa nova versão é outro exemplo do nosso compromisso em prover aos clientes Moodle melhorias contínuas na plataforma para dar suporte as necessidades dos estudantes, professores e organizações ao redor do mundo”.

O Moodlerooms 3.0 traz novas funções do X-Ray Learning Analytics, melhorias no tema Snap e na integração com Blackboard Collaborate para facilitar o processo de ensino e aprendizagem e torná-lo mais engajador.

As melhorias relacionadas ao X-Ray Learning Analytics permitirão uma navegação mais fácil nos relatórios. Os dados principais, como número de estudantes em risco, número de login de estudantes, média das notas, estão posicionados no topo da página, oferecendo aos professores uma visão rápida do curso para facilitar sua intervenção no apoio ao aluno.

O tema Snap trouxe melhorias para computadores, tablets e dispositivos móveis, como uma página simplificada de login e uma navegação mais fácil entre cursos/disciplinas e atividades. O Snap também traz agora uma interface redesenhada da área do curso para dispositivos móveis, a fim de melhorar a experiência do usuário e tornar mais fácil para estudantes e professores a customização das informações apresentadas, conforme as suas necessidades.

Os recursos mais recentes do Blackboard Collaborate foram integrados ao Moodlerooms 3.0, permitindo que usuários tenham uma experiência ainda mais agradável na sala de aula virtual. Os professores, por exemplo, podem convidar pessoas para sua sala de aula virtual com o simples envio de um link; os estudantes podem fazer download das sessões gravadas, permitindo-os revisar e acessar o conteúdo offline sempre que preciso.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Blackboard conquista certificado padrão Caliper Analytics™ para o Moodlerooms

o que é moodle

A Blackboard, a principal companhia global de tecnologia para educação, anunciou que obteve o IMS Global Conformance Certification para o Moodlerooms, seu ambiente virtual de aprendizagem, para fornecer fluxo de dados de atividades de acordo com o padrão IMS Caliper Analytics v.1.0.

>> Veja como o Moodlerooms funciona [vídeo]

O Caliper é um padrão neutro e fundamental para aumentar a interoperabilidade ao permitir que dados sejam compartilhados entre diferentes soluções. Agora, todas as instituições que usam Moodlerooms poderão coletar e combinar dados de diferentes fontes para obter uma visão melhor das atividades dos estudantes, por meio de diversas ferramentas de aprendizagem, e conseguir ações rápidas e intuitivas usando análises de dados.

A Blackboard também disponibilizou o plugin do Caliper para a comunidade Moodle, para permitir inovações futuras por qualquer instituição que usa a plataforma.

A Blackboard certificou o seu LMS proprietário Blackboard Learn em 2015 e foi a primeira organização a completar o processo de certificação do Caliper. Ao habilitar o Moodlerooms, o ecossistema de tecnologia para educação será mais transparente e com uma abordagem voltada à interoperabilidade de dados, além de facilitar o compartilhamento de informações entre instituições, incentivar pesquisas científicas, e ampliar o espaço para desenvolvimentos de novas aplicações.

“Esse é um ótimo acontecimento para o Moodlerooms e mostra nosso comprometimento com o open source e analytics para aprendizagem”, afirmou Phill Miller, vice-presidente de Open Solutions da Blackboard. “Com essa certificação e o lançamento do plugin, estamos nos preparando para a próxima geração de ferramentas de análise para aprendizagem”.

“Estamos felizes que a Blackboard alcançou a certificação de conformidade para Moodlerooms com o padrão Caliper Analytics”, afirmou o Dr. Rob Abel, CEO do IMS Global Learning Consortium. “A liderança e apoio em padrão aberto da Blackboard está ajudando a crescer um ecossistema de tecnologia educacional baseado em padrões IMS”.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Veja mais posts

O Grupo A é representante exclusivo do Blackboard no Brasil.