Católica de Santa Catarina: Migração rápida e segura para Moodlerooms

universidade católica de sc

O desafio de criar cursos de educação a distância exige planejamento. Em uma instituição que já utiliza ambientes virtuais como apoio para o ensino presencial, tempo de implantação das disciplinas e capacitação dos professores devem ser considerados na escolha de uma nova ferramenta.

A Católica de Santa Catarina, com polos em Jaraguá do Sul e em Joinville, testou no primeiro semestre de 2017 a utilização do Moodlerooms com uma turma de estudantes da disciplina de Metodologia Científica que foi ofertada online. A partir da experiência positiva, no segundo semestre, lançou 10 cursos EAD, atendendo a 120 alunos.

A instituição utiliza o Moodle desde 2005, e há sete anos vincula todas as disciplinas a um ambiente virtual. Isso faz com que o corpo docente já tenha contato com a ferramenta, embora a utilize principalmente para disponibilizar materiais complementares aos cursos presenciais. No lançamento da modalidade de educação a distância, esse fator não deixou de ser considerado pela Católica.

“O Moodlerooms potencializa soluções ofertadas dentro do Moodle, sem gerar a exigência de capacitar os professores e a equipe em uma ferramenta nunca utilizada antes. Como tínhamos um prazo curto para implantação da EAD, essa foi uma característica decisiva na escolha do novo ambiente virtual”, garante Juliana Petris, coordenadora pedagógica da EAD da Católica de Santa Catarina.

Como diferenciais importantes, Juliana cita o suporte permanente, 24/7, e o armazenamento em nuvem como garantia de que os estudantes não terão nenhum problema com a disponibilidade da solução tecnológica. Para ela, qualquer falha na ferramenta pode significar a perda de um prazo de entrega de trabalho ou a mpossibilidade de acessar conteúdos de aula na EAD. Uma solução robusta e que ofereça suporte, nesse caso, é fundamental.

“Além disso, o tema SNAP, ofertado pelo Moodlerooms, nos ofereceu responsividade, maior navegabilidade e uso intuitivo, além da possibilidade de personalizar o layout dos cursos.”

Suporte à criação da EAD

A utilização do Moodlerooms na instituição ocorre simultaneamente com a criação dos cursos de educação a distância. Por isso, os professores e a equipe de EAD têm a oportunidade de criar novos formatos de disciplinas em conjunto, utilizando as ferramentas do ambiente virtual ideais para traduzir a linguagem pedagógica de cada curso. Assim, conseguem explorar todo o potencial que a plataforma de educação a distância oferece.

Em três meses de lançamento dos cursos, a Católica de Santa Catarina está utilizando a plataforma em sete cursos 100% EAD e três cursos híbridos. Como piloto, utilizou a disciplina de Metodologia Científica, que já rodava anteriormente na plataforma Moodle, em uma turma no primeiro semestre de 2017.

“O retorno dos alunos que usaram o ambiente no primeiro semestre foi extremamente positivo”, garante a coordenadora pedagógica.

Utilizando as duas soluções de forma simultânea – Moodle no ensino presencial e Moodlerooms em EAD –, a Católica tem planos para concluir a migração completa em 2018 para todos os alunos da instituição. A migração do corpo docente foi positiva, mas Juliana explica que o Centro Universitário tem objetivos a serem concretizados: querem utilizar melhor os relatórios oferecidos pelo Moodlerooms e automatizar processos, como o acompanhamento de tutorias.

“O suporte que recebemos do Grupo A nos dá segurança em nossos planos de crescimento. Temos um retorno tão rápido que, na maioria das vezes, conseguimos contornar problemas antes mesmo que os alunos os percebam”, finaliza Juliana Petris.

Para ela, o ensino e a aprendizagem na educação a distância exigem uma boa plataforma, para que você consiga fazer as proposições e estabelecer uma conexão com o aluno, mantendo a educação de tradição e a qualidade que a Católica de Santa Catarina oferece.

Principais ganhos com Moodlerooms


Para os alunos

• Acesso por dispositivos móveis;
• Usabilidade e navegabilidade facilitadas;
• Painéis intuitivos.

Para a instituição
• Programar a disponibilização dos materiais;
• Uso intuitivo e amigável das ferramentas;
• Recursos aprimorados e possibilidade de personalização:
• Suporte 24/7;
• Armazenamento em nuvem;
• Linguagem já dominada pelo corpo docente;
• Setor de tecnologia já ter a parametrização dos dois sistemas (gestão acadêmica e ambiente virtual).

FAÇA UM COMENTÁRIO

Como escolher o Sistema de Gestão de Aprendizagem ideal?

sistema de gestão de aprendizagem

Os alunos que estão frequentando os colégios e universidades de hoje são completamente diferente dos colegas que seus pais tinham quando estudavam. São mais experientes em tecnologia e mais flexíveis quando se trata de como e onde eles aprendem. Ao longo dos últimos 20 anos, o Sistema de Gestão de Aprendizagem tem ajudado as instituições a acompanharem a evolução desse novo perfil de estudante – e a ajudá-los a prosperar.

Identificar o Sistema de Gestão de Aprendizagem ideal para sua instituição de ensino pode ser complexo. Veja abaixo alguns tópicos que devem ser considerados antes de tomar essa decisão. Neste outro artigo, leia sobre Ambientes Virtuais de Aprendizagem: Tecnologia garante o sucesso dos alunos.

Então, você precisa de um Sistema de Gestão de Aprendizagem. E agora?

 

Apoio às instituições em crescimento
Soluções escaláveis evoluem com as necessidades dos professores e com os padrões em constante mudança.

Centrado nos estudantes
O Sistema de Gestão de Aprendizagem deve estar engajado com os estudantes acostumados com a tecnologia e com os alunos móveis, que buscam aprender em qualquer lugar.

Estímulo à acessibilidade
Pensar em oportunidades educacionais iguais promove a inclusão de todos os estudantes.

Envolvimento com os aprendizes
Um Sistema de Gestão de Aprendizagem deve evoluir com a mesma velocidade das novas tecnologias educacionais.

Integrado a outras plataformas digitais
Provavelmente sua instituição já utiliza alguns softwares em setores como administrativo, financeiro ou até em sala de aula. É recomendado que seu novo Sistema de Gestão de Aprendizagem consiga se integrar com essas ferramentas e evoluir seu uso.

Promova o sucesso a longo prazo
Ofereça suporte contínuo a treinamento e capacitação dos professores para promover o sucesso dos estudantes, seja por meio de materiais para dar suporte ao conteúdo de sala de aula ou seja com suporte a inovação na instituição.

Agora que você sabe alguns dos pontos fundamentais a serem avaliados antes de definir o melhor LMS para sua instituição, conheça melhor nosso Sistema de Gestão de Aprendizagem: Blackboard, parceira de mudanças na educação.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Estratégias de captação: você sabe quem é seu aluno alvo?

estrategias-de-captacao

Para aumentar o número de matrículas em sua Instituição de Ensino, é preciso pensar como um estudante. Para isso, é melhor ter uma imagem clara de quem é esse aluno. Considerando a mudança demográfica do estudante universitário de hoje, sabe-se que não existe mais o estudante típico – ou tradicional. Isso significa que uma estratégia de captação única para todos os seus públicos, provavelmente, não funcionará.

Então, como você atende a um público cada vez mais amplo e diversificado, tornando ainda assim a mensagem direcionada e personalizada? É preciso fazer um exercício de segmentação de audiência: dividir um público potencial em subgrupos menores, criando estratégias de mensagens e divulgação específicas.

Essa segmentação pode ajudar a instituição a identificar e priorizar seus diferentes públicos-alvo; adaptar suas mensagens de forma direta às suas necessidades; direcioná-las de forma mais eficiente e, finalmente, alcançar mais alunos e aumentar as inscrições.

Para começar, responda a essas três perguntas:

Quem são eles?

Conduza pesquisas internas e externas para criar um perfil de sua população estudantil. Pense além dos termos demográficos: quantos anos eles têm? Qual o seu gênero e contexto cultural? Onde vivem? Quais são suas crenças e valores, seus hobbies e interesses? São solteiros, casados, moram sozinhos? Têm filhos? Um pai solteiro que trabalha em tempo integral terá necessidades e motivações muito diferentes de um jovem profissional que procura um MBA para tentar uma promoção no trabalho.

O que os motiva?

O segundo passo é pensar nas motivações desse público para se inscrever. Eles são graduados que procuram maior especialização? São desempregados em busca de novas habilidades ou credenciais profissionais para mudar de carreira? Ou são pessoas maduras que voltam aos estudos em busca da satisfação pessoal de completar algum curso?

Conhecer as necessidades do público-alvo irá ajudá-lo a entender o que é mais importante para eles e a adaptar suas mensagem de marketing de acordo.

Onde você pode encontrá-los?

Ao definir a demografia e os interesses de seus alunos, você pode começar a entender como e onde eles procuram informações. Que sites ou canais de mídia eles frequentam? Existem muitos recursos online para descobrir quais canais os públicos segmentados são mais propensos a usar.

Você também deve pensar sobre a tecnologia que eles provavelmente usarão. Se estiverem sempre em movimento e lerem e-mails em um dispositivo móvel, certifique-se de que sua comunicação digital está otimizada para smartphones e tablets.

Uma vez que você começa a responder a essas perguntas, alguns perfis distintos de seus potenciais alunos irão surgir. Mas não pense neles em termos de dados e estatísticas: você pode escolher um personagem para cada perfil de público-alvo, dando a ele um nome, um rosto, uma idade.

Com esse retrato de seus alunos em mente, sua características, necessidades e motivações únicas, pense no que eles esperam e querem ouvir de você… E não no que você tem a dizer para eles.

Continue sua leitura: Veja 4 ações imediatas para aumentar o número de matrículas em sua instituição

FAÇA UM COMENTÁRIO

Blackboard recebe reconhecimento do mercado com o Prêmio Top Educação

premio-top-educacao

A Blackboard, principal companhia global de tecnologia para educação, foi reconhecida com o Prêmio Top Educação como a marca de LMS mais lembrada pelos leitores das revistas Educação e Ensino Superior nas áreas de ensino básico e superior. A votação ocorreu a partir de maio de 2017 e o resultado foi divulgado em agosto.

A premiação demonstra o sucesso de um trabalho sólido de suas operações no país. Representada pelo Grupo A Educação, as soluções em tecnologia para a educação melhoram de forma contínua a experiência de ensino e aprendizagem de inúmeros estudantes e professores, entregando à comunidade acadêmica um portfólio único que tornam a educação a distância mais simples e engajadora.

Presente em mais de 230 instituições no Brasil, com 1,3 milhão de usuários na plataforma, a Blackboard aposta em produtos inovadores que acompanhem as constantes demandas do mercado da educação, sendo reconhecida pela capacidade de dar suporte a diferentes necessidades das Instituições de Ensino. Para entregar resultados notáveis, desenvolve soluções abrangentes que visam garantir o sucesso do aluno, em qualquer etapa de sua formação.

“É muito legal para a Blackboard e para o Grupo A receber esse tipo de reconhecimento. Isso só reforça nossa costumeira dedicação e nos mantém sempre em busca de novas e melhores formas de atender a nossos clientes”, resume Pavlos Dias, Gerente Nacional Blackboard Brasil no Grupo A Educação.

O Top Educação é uma pesquisa quantitativa de participação espontânea, que busca apontar as marcas mais lembradas na área de educação. Criada pela Editora Segmento, a premiação reconhece empresas de produtos e serviços nas áreas de educação básica e ensino superior há 12 anos. Confira a relação completa dos vencedores em cada categoria.

Sobre a Blackboard Inc.

A Blackboard é uma das principais desenvolvedoras de tecnologia educacional do mundo e tem como missão ser parceira da educação na mudança, ajudando alunos, educadores, instituições e empresas a prosperarem, desafiando o pensamento convencional e desenvolvendo novos modelos de aprendizagem. A fim de atender às necessidades do aluno moderno e das instituições que os servem, a Blackboard implanta tecnologias e serviços relevantes e significativos para o crescimento tanto das instituições de ensino quanto dos alunos. A partir de parcerias com instituições de ensino fundamental, médio e superior, além de organizações empresariais e agências governamentais em todo o mundo, ajudamos cada aluno a atingir seu pleno potencial.

Sobre o Grupo A Educação

O Grupo A, holding educacional brasileira com mais de 40 anos de atuação no mercado editorial, detém os selos Artmed, Bookman, Artes Médicas, McGraw-Hill, Penso e Série Tekne. Com mais de dois mil títulos em catálogos, sua linha editorial está voltada para a publicação de livros científicos, técnicos e profissionais (CTP) nas áreas de biociências, ciências humanas, exatas, sociais e aplicadas. O Grupo A reúne, ainda, um grande portfólio de negócios voltados para a educação. Representa parceiros internacionais de peso, como Blackboard e Moodlerooms (plataformas de aprendizagem). Possui a SAGAH, empresa que desenvolve conteúdos para cursos de graduação e pós-graduação fundamentados na metodologia de aprendizado ativo e a GSI, uma fábrica de conteúdos digitais que desenvolve soluções didáticas e inovadoras para instituições de ensino e empresas. Também fazem parte do Grupo A iniciativas como as Revistas Pátio, os portais MedicinaNET, Harrison Brasil, Biblioteca A, Minha Biblioteca e Pasta do Professor.

FAÇA UM COMENTÁRIO

7 etapas para capacitar professores em novas ferramentas tecnológicas

Novas ferramentas tecnológicas

Mudar é sempre difícil. Quando se fala em novas ferramentas tecnológicas, há três perfis de pessoas: aquelas que dominam e utilizam em qualquer situação; as que aprenderam a usar e acabaram incluindo na rotina; e as que sabem que existem, mas acham complicado demais até para tentar.

A formação tradicional de professores não inclui no currículo ferramentas tecnológicas. Isso faz com que muitos deles excluam essa possibilidade da sala de aula, achando que não se faz necessária para o processo de aprendizagem. No entanto, o novo perfil de aluno é conectado e vê a inovação como aliada, inclusive na aprendizagem.

Para entender melhor o novo perfil de aluno, leia este artigo: O que os estudantes estão nos dizendo sobre tecnologia e por que isso é importante?

Por isso, mesmo nos ensinos presencial e semipresencial, quando o professor consegue dialogar com os alunos na mesma linguagem e utiliza ferramentas inovadoras que eles já dominam percebe resultados diferentes em sala de aula. Saiba como o uso da tecnologia em sala de aula desperta interesse nos alunos.

Veja a seguir sete estratégias para facilitar a adoção de tecnologia pelo corpo docente, indicados por Geralyn Stephens, professora associada da Universidade Estadual Wayne, que é cliente da Blackboard nos Estados Unidos.

1 – Comece pequeno

Inicialmente, escolha os professores que são mais adeptos a novidades e comece a capacitação com esse grupo. A tendência é que eles disseminem o conhecimento entre seus pares, estimulando a participação de pessoas que são naturalmente mais resistentes.

2 – Complemente as práticas atuais

A instituição pode promover cursos de atualização dos currículos dos professores utilizando o próprio ambiente virtual de aprendizagem. Assim, o uso da tecnologia fica em segundo plano e o corpo docente testa as ferramentas e suas possibilidades na prática, na posição de aluno.

3 – Faça com que seja conveniente

Realize os treinamentos presenciais em locais de fácil acesso para os professores e em horários alternativos. Essa flexibilidade pode inicialmente exigir um esforço da instituição, mas incentiva a confiança dos professores.

4 – Torne relevante

Reserve algumas aulas de capacitação presencial para dar suporte aos professores, de forma que seja possível construir em conjunto planos de aula alternativos, incluindo ferramentas tecnológicas. Quando o professor desconhece todas as alternativas possíveis, tem dificuldade em colocar sua utilização na prática, por isso, essa tutoria é fundamental e motivadora.

5 – Inclua novas ferramentas aos poucos

Incentive o uso do blog, de fóruns de discussão ou outras ferramentas durante os treinamentos. Motive-os a continuar usando essas ferramentas não só durante a capacitação, mas também em sala de aula, com uma turma. Vá introduzindo as alternativas aos poucos, de forma que ele consiga aprender enquanto utiliza e aplica em turmas piloto.

6 – Colete dados e avalie

Documente como os participantes utilizam os recursos apresentados na capacitação. Posteriormente, esses dados e as recomendações do corpo docente podem ser utilizados para melhorar a experiência de treinamento.

7 – Crie uma comunidade de aprendizado

É possível utilizar o próprio fórum de discussão para gerar tópicos para troca de conhecimento sobre ensino online, tecnologias educacionais e as ferramentas Blackboard. Esses fóruns devem ser acompanhados pela área de suporte para que quaisquer questões técnicas ou necessidades de instruções sejam imediatamente respondidas. Além disso, em outra sessão, a instituição pode publicar dicas rápidas, orientações e outros itens relacionados ao uso do ambiente virtual na instituição.

Quer complementar sua leitura? Veja 7 hábitos altamente eficientes dos professores que utilizam tecnologia.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Veja mais posts

O Grupo A é representante exclusivo do Blackboard no Brasil.